SOP-2010-1-tiago

De MediaWiki do Campus São José
Ir para: navegação, pesquisa

Diário de aula de SOP - 2010-1 - Prof. Tiago Semprebom

Índice

Lógica de Programação

Segundo módulo da disciplina de Sitemas Operacionais. Baseado no material Lógica de Programação, de Paulo Sérgio de Moraes - uma das referências bibliográficas da disciplina.

08/04: Introdução

  • Tópicos: instrução, sequência, problemas do dia a dia.
  • Páginas da apostila: 4 a 7.

09/04: Desenvolvendo algoritmos

  • Tópicos: resolvendo problemas, linguagens e instrução disponíveis (vocabulário).
  • Páginas da apostila: 8 a 11.

Exercícios: desenho de figuras geométricas

  • Usando apenas as instruções:
    limpa
    avança X
    giraDireita angulo
    giraEsquerda angulo
    
    escreva algoritmos para desenhar as seguintes figuras:
    • triângulo equilátero
    • triângulo isósceles
    • triângulo escaleno
    • quadrado
    • hexágono
    • octógono
    • 7 hexágonos interligados (um central e seis periféricos).
  • kturtle é um software educacional para ajudar no ensino de matemática, geometria e introdução à programação. Ele possibilita fazer desenhos facilmente, seguindo um programa com instruções de desenho. Usando as instruções:
    reset
    forward X
    turnright angulo
    turnleft angulo
    
    ... escreva programas para os algoritmos criados no ítem anterior.

15/04: Pseudocódigo e diagrama de blocos (fluxograma)

  • Adoção do Portugol IDE como ferramenta didática.
  • Páginas da apostila: 12 a 14.

Portugol

As aulas de Lógica de Programação usarão um software de auxílio ao ensino de algoritmos chamado Portugol, desenvolvido na Escola Superior de Engenharia do Instituto Politécnico de Tomar, em Portugal.

Guia rápido de instalação e utilização do Portugol

Abaixo segue uma breve ajuda de como obtê-lo, instalá-lo e usá-lo. Esse guia assume que você esteja usando o Ubuntu Linux 9.04 ou superior.

  1. Faça o download do Portugol.
  2. Descompacte-o com o seguinte comando:
    tar xzf portugol23.tar.gz
    
  3. Repare que existe agora um subdiretório portugol no diretório onde você o descompactou. Execute o Portugol com o seguinte comando:
    java -jar portugol/Portugol.jar
    
    Obs: você precisará ter Java instalado. Caso não o tenha, execute o comando:
    sudo apt-get install openjdk-6-jre
    
  4. Copie esse arquivo para poder ver fluxogramas coloridos, e grave-o no memso diretório onde está o Portugol.
  5. Veja a ajuda do Portugol, e use-a sempre que tiver dúvidas !


A tela inicial do Portugol segue abaixo, junto com um programa demonstrativo.

Editor-Portugol.png

Exemplos de programas iniciais em Portugol:

  1. Lendo um número e mostrando-o na tela em seguida:
    Inicio
      inteiro x
    
      Escrever "Digite um numero: ",
      Ler X
      Escrever "Numero digitado: ", x
    Fim
    
  2. Lendo dois números, somando-os e mostrando o resultado na tela:
    Inicio
      inteiro x, y
    
      Escrever "Digite um numero: ",
      Ler x
      Escrever "Digite outro numero: ",
      Ler y
      Escrever "Soma = ", x+y
    Fim
    
    O programa abaixo é equivalente:
    Inicio
      inteiro x, y, z
    
      Escrever "Digite um numero: ",
      Ler x
      Escrever "Digite outro numero: ",
      Ler y
      z <- x + y
      Escrever "Soma = ", z
    Fim
    

Atividades

  1. Média de três números: escreva um programa para calcular a média de três números.
    Inicio
      Inteiro n1, n2, n3, r
    
      Escrever "Primeiro numero: "
      ler n1
      Escrever "Segundo numero: "
      ler n2
      Escrever "Terceiro numero: "
      ler n3
    
      r <- (n1 + n2 + n3) /3
    
      Escrever "Media=", r
    Fim
    
  2. Sequência de Fibonacci: em matemática corresponde aos números:
    1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, ...
    
    ... que pode ser descrita pela relação de recorrência



    ... com valores iniciais e .

    Numerosas formas na natureza apresentam essa sequência, como neste girassol (cujas flores se dispõem em uma espiral):

    Sunflower.jpg Espiral fibonacci.png FibonacciBlocks.png

    Usando o Portugol escreva um programa que mostre os 10 primeiros números dessa sequência.

16/04: Fluxogramas, constantes e Variáveis

  • Diagrama de blocos (fluxograma)
  • Variáveis e constantes

Fluxogramas

Diagramas de bloco para auxiliar a descrição de algoritmos. Ajudam na compreensão do algoritmo, por poder visualizar o fluxo de execução.


Fluxograma-soma.png Fluxograma para o algoritmo da média de trẽs números.


Blocos de uso mais comum

Bloco Descrição Exemplo
Inicio.png Inicio do fluxograma
Processamento.png Processamento
Entrada.png Entrada de dados (ler do teclado)
Saida.png Saída de dados (mostrar na tela)
Decisao.png Decisão (testar uma condição e bifurcar) Ex-decisao.png
Conector.png Conector (juntar dos ou mais ramos do fluxograma) Ex-conector.png
Fim.png Fim

Obs: Arquivo de configuração das cores do fluxograma do Portugol.

Variáveis e constantes

  • Variável: capaz de guardar um dado a ser usado no algoritmo. Pode ser entendida como uma caixa, onde se coloca um dado e se pode consultá-lo quantas vezes for necessário. O dado pode ser modificado (substituído por outro). Exemplo em Portugol:
    Inicio
      inteiro anos, dias
    
      Escrever "Quantos anos se passaram ? "
      Ler anos
      dias <- anos * 365
      Escrever "... então se passaram ", dias, " dias"
    Fim
    
    Nesse exemplo há duas variáveis: dias e anos
  • Constante: semelhante à variável, porém o dado armazenado não pode ser modificado. Exemplo em Portugol:
    Inicio
      constante inteiro diasPorAno <- 365
      inteiro anos, dias
    
      Escrever "Quantos anos se passaram ? "
      Ler anos
      dias <- anos * diasPorAno
      Escrever "... então se passaram ", dias, " dias"
    Fim
    
    Nesse exemplo há uma constante: diasPorAno


Variáveis e constantes devem ser declaradas antes de serem usadas (algumas poucas linguagens, como Python e Perl, não exigem isto). A declaração consiste do tipo e identificador da variável. O tipo corresponde ao tipo de valor que pode ser guardado, e o identificador é o nome da variável. No exemplo abaixo:

  constante inteiro diasPorAno <- 365
  inteiro anos, dias
Fim

Há duas variáveis do tipo inteiro, e seus identificadores são dias e anos. O tipo inteiro indica que essas variáveis podem guardar somente números inteiros.

Tipos de variáveis e constantes no Portugol:

Tipo Descrição Exemplo
Inteiro Número inteiro entre -2 147 483 648 e 2 147 483 647 Inteiro x <- 10
Real Número real entre -1.7 E 308 e 1.7 E 308 Real y <- 10.789
Lógico Valor booleano, com valores "Verdadeiro" e "Falso" Logico ok <- Falso
Caracter Um caractere da tabela ASCII Caracter letra <- "A"
Texto Uma sequência de caracteres (ou string) Texto palavra <- "um teste"

A declaração de constantes é semelhante à de variáveis, bastanto prefixá-las com a palavra-chave constante.

Atividade

Para os exercícios abaixo, desenhe o fluxograma e escreva o algoritmo no Portugol.

  1. Faça um algoritmo que calcule a média de quatro números, porém mostrando as casas decimais (caso existam).
  2. Escreva um algoritmo que mostre, em sequência: 9, 9^2 (ao quadrado), 9^3 (ao cubo) e a soma desses 3 números.
  3. Escreva um algoritmo que leia o nome, sobrenome e idade de uma pessoa, e escreva na tela:
    sobrenome, nome
    idade anos
    

22/04: Expressões lógicas e aritméticas

Expressão aritmética: um conjunto de operações sobre variáveis, constantes e funções numéricas, e que gera um determinado resultado numérico.

Exemplos de expressões aritméticas:

# Uma expressão que calcula quantos segundos existem em um horário do tipo horas, minutos e segundos
3600*horas + 60*minutos + segundos

# Uma expressão que calcula a velocidade instantânea, segundo um MRV
vel_inicial + aceleracao*tempo;

# Uma expressão que calcula o módulo de um vetor bidimensional, que possui coordenadas x e y
raiz(x^2 + y^2)

Os resultados de expressões podem ser mostrados na tela, ou armazenados em variáveis:

# Uma expressão que calcula quantos segundos existem em um horário do tipo horas, minutos e segundos
segundos <- 3600*horas + 60*minutos + segundos

# Uma expressão que calcula a velocidade instantânea, segundo um MRV
escrever 'Velocidade no instante ', tempo, ' = ', vel_inicial + aceleracao*tempo;

# Uma expressão que calcula o módulo de um vetor bidimensional, que possui coordenadas x e y
modulo <- raiz(x^2 + y^2)

Repare que uma expressão fica sempre do lado direito, quando atribuída a uma variável. A expressão é primeiro calculada, e em seguida seu resultado é armazenado na variável:

segundos <- 3600*horas + 60*minutos + segundos

Operadores aritméticos

Expressões aritméticas sao compostas por números e operadores aritméticos:

Obs: para os exemplos abaixo são usadas estas variáveis:

Real x, area, lado
inteiro dias, horas
Operador Descrição Exemplo
+ Adição x <- x + 1
- Subtração x <- x - 1
* Multiplicação x <- x*x*xhttp://www.facebook.com/profile.php?id=100000215067732&ref=profile#!/?ref=home
/ Divisão dias <- horas / 24
% Módulo (resto de divisão) horas <- horas % 24
^ Potenciação area <- lado^2

Precedência dos operadores (nesta ordem): ^, *, /, %, + e -

A precedência pode ser modificada com o uso de parênteses. Ex:

escrever 1 + 2 * 3
escrever (1 + 2)*3

No Portugol, existem também algumas funções úteis, como a função raiz:

r <- raiz(x^2 + y^2)

O resultado de expressões aritméticas depende dos tipos numéricos das variáveis e constantes:

inicio
  real x
  inteiro y
  inteiro resultadoInteiro
  real resultadoReal
  
  x <- 9
  y <- 9
  
  escrever "O resultado de uma expressão aritmética depende dos tipos das variá¡veis e constantes\n"
  escrever "usadas na expressão. Se forem todas inteiras, então o resultado será inteiro.\n"
  escrever "Veja este exemplo: \n"
  escrever "Variável inteira y=", y
  escrever "\nExpressão: y/2=", y/2
  
  escrever "\n\nNeste segundo exemplo, repete-se a mesma expressão, porém usando-se uma\n"
  escrever "variável real:\n"
  escrever "variável real x=", x
  escrever "\nExpressão: x/2=", x/2
  
  x <- 4
  y <- 5
  escrever "\n\nSe as variáveis de diferentes tipos forem combinadas, o resultado da\n"
  escrever "expressão será real:\n"
  escrever "Variável real x=", x, " e inteira y=", y
  escrever "\nExpressão: (x+y)/2=", (x+y)/2

  escrever "\n\nNo entanto, se uma expressão tiver um resultado real, mas este for\n"
  escrever "atribuí­do a uma variável inteira, então apenas a parte inteira será guardada:\n"
  escrever "Variável real x=", x, " e inteira y=", y
  y <- (x+y)/2
  escrever "\nExpressão: y <- (x+y)/2 ... após executada, y=", y
  
fim

Atividades

  1. Escreva um algoritmo que calcule a raiz de uma equação de 1o grau.
  2. Escreva um algoritmo que calcule as raízes de uma equação de 2o grau. Assuma que existam duas raízes reais.
  3. Um equipamento conta o tempo desde que foi ligado. No entanto, essa contagem é feita em segundos. Faça um algoritmo que converta o valor desse contador para horas, minutos e segundos.
  4. Faça um algoritmo que converta um número decimal para sua representação binária. Assuma que o número decimal tenha até dois dígitos.

23/04: Estruturas de decisão

Páginas da apostila: 26 a 31.

Estruturas de decisão possibilitam que se executem diferentes sequências de instruções de um programa, dependendo de uma condição a ser avaliada. Por exemplo, um jogo poderia armazenar a maior pontuação já obtida, e verificar se foi ultrapassada ao final de cada partida:

  Se pontuacao > recorde então 
    recorde <- pontuação
  FimSe

O exemplo acima mostra a estrutura de decisão Se condição entao comandos Fimse. Veja o próximo exemplo:

  Se conceito > 70 entao
    escrever 'Voce esta aprovado'
  senao
    escrever 'Desta vez não deu ... tente de novo !'
  Fimse

O uso de Se condição entao comandos Senao comandos Fimse possibilita que se execute uma sequência de comandos se a condição for verdadeira, e outra sequência se for falsa.

Para fazer um bom uso de estruturas de decisão deve-se primeiro conseguir identificar as condições a serem avaliadas. Condições são escritas com expressões lógicas, e estas são compostas de operadores lógicos e relacionais aplicados a variáveis e constantes.

Condições

Obs: para os exemplos abaixo são usadas estas variáveis:

Logico correto, multa, aprovado, barato, bombear_agua
Logico descartar, baixo, reprovado, erro, enviado, recebido
inteiro erros, pontuacao, preco, endereco, velocidade
Real faltas, nivel_agua, altura

Operadores relacionais

Operador Descrição Exemplo
= Igualdade correto <- (erros = 0)
> Maior multa <- (velocidade > 80)
>= Maior ou igual aprovado <- (pontuacao >= 70)
< Menor barato <- (preco < 100)
<= Menor ou igual bombear_agua <- (nivel_agua <= 0.7)
=/= Diferente descartar <- (endereco =/= 12345)


Operadores lógicos

Operador Descrição Exemplo
NAO Negação baixo <- NOT (altura > 1.8)
E Conjunção aprovado <- NOT (conceito = "D") E (faltas <= 0.25)
OU Disjunção reprovado <- (conceito = "D") OU (faltas > 0.25)
XOU Disjunção exclusiva erro <- enviado XOU recebido

Precedência dos operadores (nesta ordem): NAO, E, OU e XOU

Lembre que a precedência pode ser modificada com o uso de parênteses.

Atividades

  1. Faça um programa que leia um número e então informe se ele é par ou ímpar.
  2. Faça um algoritmo que leia três números do teclado, e mostre o maior e menor números.
  3. Em uma rede de computadores, o firewall restringe o acesso a Internet, dependendo do horário e do tipo de usuário que faz o acesso. Os tipos de usuário abaixo têm as seguintes restrições:
    • Funcionario: apenas entre 0:00 e 7:30, entre 18:30 e 0:00, e entre 12:00 e 13:30
    • Financeiro: qualquer horario
    • Diretoria: qualquer horário
      Escreva um algoritmo que informe se um acesso foi permitido, em função do horário e do tipo de usuário.
  4. Modifique o algoritmo acima para adicionar a seguinte restrição:
    • Funcionario: nao pode acessar sites de jornal (ex: www.rbs.com.br)
    • Financeiro: nao pode acessar sites de jornal durante o expediente
    • Diretoria: sem restrições a sites
  5. Faça um algoritmo para fazer a divisão de dois números reais. Antes de dividi-los deve ser feito um teste de validade. Caso não seja possível dividi-los, deve ser mostrada uma mensagem de erro. Se for possível, deve-se mostrar o resultado da divisão.
  6. Faça um jogo de par ou ímpar, em que o jogador aposta contra o computador. O jogador deve digitar um número entre 0 e 5 e optar entre par ou ímpar. O computador deve sortear um número também entre 0 e 5. Se a paridade da soma dos números do jogador e do computador for a mesma que o jogador optou, então ele ganha a partida, senão o computador vence.

Solução exercício 2 proposto.

inicio
    inteiro num<-0,maior<-0,menor<-0, i<-0
    constante inteiro valores<-2 //declaração da constante
    
    escrever "Digite um valor: \n"
    ler num
    maior <- num
    menor <- num
    para i de 1 até valores passo 1
        ler num
        se (num > maior) então
            maior <- num
        fimse
        se (num < menor) então 
            menor <- num
        fimse
    proximo
    escrever "O maior valor digitado é: ", maior
    escrever "\n"
    escrever "O menor valor digitado é: ", menor
fim

23/04: Estruturas de decisão

Há situações em que se precisa fazer um conjunto de comparações, como mostrado abaixo:

// Lê a data no formato numérico dia, mes, ano, e mostra a data no formato
// dia, nome do mês, ano.
Inicio
  inteiro dia, mes, ano
  texto nome_mes

  escrever "Dia: "
  ler dia
  escrever "Mes: "
  ler mes
  escrever "Ano: "
  ler ano

  se mes = 1 entao
    nome_mes <- "Janeiro"
  senao
    se mes = 2 entao
      nome_mes <- "Fevereiro"
    senao
      se mes = 2 entao
        nome_mes <- "Março"
      senao
        se mes = 2 entao
          nome_mes <- "Abril"
        senao
          se mes = 2 entao
            nome_mes <- "Maio"
          senao
            se mes = 2 entao
              nome_mes <- "Junho"
            senao
              se mes = 2 entao
                nome_mes <- "Julho"
              senao
                se mes = 2 entao
                  nome_mes <- "Agosto"
               senao
                  se mes = 2 entao
                    nome_mes <- "Setembro"
                  senao
                    se mes = 2 entao
                      nome_mes <- "Outubro"
                    senao
                      se mes = 2 entao
                        nome_mes <- "Novembro"
                      senao
                        nome_mes <- "Dezembro"
                      fimSe
                    fimSe
                  fimSe
                fimSe
              fimSe
            fimSe
          fimSe
        fimSe
      fimSe
    fimSe
  fimSe

  escrever dia, " de ", nome_mes, " de ", ano
fim

Além de ser trabalhoso esse encadeamento de Se ... entao ... senao, o algoritmo resultante fica pouco legível. Quer dizer, ele fica feio e difícil de entender.

Existe uma estrutura de decisão criada justamente para casos como esse, e que resulta em um algoritmo mais limpo e compreensível:

// Lê a data no formato numérico dia, mes, ano, e mostra a data no formato
// dia, nome do mês, ano.
Inicio
  inteiro dia, mes, ano
  texto nome_mes

  escrever "Dia: "
  ler dia
  escrever "Mes: "
  ler mes
  escrever "Ano: "
  ler ano

  Escolhe mes
    caso 1: 
      nome_mes <- "Janeiro"
    caso 2: 
      nome_mes <- "Fevereiro"
    caso 3: 
      nome_mes <- "Março"
    caso 4: 
      nome_mes <- "Abril"
    caso 5: 
      nome_mes <- "Maio"
    caso 6: 
      nome_mes <- "Junho"
    caso 7: 
      nome_mes <- "Julho"
    caso 8: 
      nome_mes <- "Agosto"
    caso 9: 
      nome_mes <- "Setembro"
    caso 10: 
      nome_mes <- "Outubro"
    caso 11: 
      nome_mes <- "Novembro"
    Defeito: 
      nome_mes <- "Dezembro"
  fimEscolhe

  escrever dia, " de ", nome_mes, " de ", ano
fim

A estrutura de decisão escolhe ... caso tem uma certa flexibilidade. No exemplo abaixo, mostra-se a possibilidade de testar mais de um valor no mesmo caso:

inicio     
  caracter sexo     

  escrever "Qual o seu sexo (f/m):"     
  ler sexo     

  escrever "Olá "     

  escolhe sexo         
    caso "m", "M" :             
      escrever "senhor"         
    caso "f","F" :             
      escrever "senhorita"         
    defeito :             
      escrever "Sexo indefinido"     
  fimescolhe     

  escrever ", benvindo ao portugol" 
fim

Atividades

  1. Faça um algoritmo que converta um número de 1 a 7 para o respectivo dia da semana (ex: 1 = domingo, 2 = 2a feira, e assim por diante).
  2. Faça uma calculadora com as quatro operações aritméticas. Sua calculadora deve ler (nesta ordem) o primeiro número, a operação aritmética (que deve ser informada usando o símbolo da respectiva operação: +, -, * ou /), e depois o segundo número. Ao final, seu algoritmo deve mostrar o resultado, ou uma mensagem de erro se a operação não for possível de realizar (ex: divisão por zero).
  3. A previsão do tempo na costa brasileira pode ser feita de forma aproximada usando-se um barômetro e um termômetro. Uma estimativa com boa chance de acerto se baseia na tabela abaixo:
    Previsao-barometro.png

    Faça um algoritmo que forneça uma estimativa da previsão do tempo, usando essa tabela.
  4. Faça um algoritmo que mostre qual o último dia de um determinado mês informado pelo teclado. Caso seja informado o mês 2 (fevereiro), seu algoritmo deve identificar se é ano bissexto (assim o mês tem 29 dias), ou não (mês tem 28 dias). Obs: anos bissextos são dados pelas regras (segundo o calendário Gregoriano):
    1. De 4 em 4 anos é ano bissexto.
    2. De 100 em 100 anos não é ano bissexto.
    3. De 400 em 400 anos é ano bissexto.
    4. Prevalecem as últimas regras sobre as primeiras.

Solução Ex. 4

inicio

texto B, T

Escrever "O barômetro está: "
ler B

Escrever "O termômetro está: "
ler T

escolhe B

caso "+":

 escolhe T
  caso "+":
   escrever "Tempo bom, ventos quentes e secos"
  caso "=":
   escrever "Tempo bom, ventos de leste frescos"
  caso "-":
   escrever "Tempo bom, ventos de sul a sudeste"
  
  fimescolhe

caso "=":
 
 escolhe T
 
  caso "+":
   escrever "Tempo mudando para bom, ventos de leste"
  caso "=":
   escrever "Tempo incerto, ventos variáveis"
  caso "-": 
   escrever "Chuva provável, ventos de sul para sudeste"
 
   fimescolhe
  
caso "-":
 
 escolhe T
 
   caso "+":
   escrever "Tempo instável, aproximação de frente"
  caso "=":
   escrever "Frente quente, com chuvas prováveis"
  caso "-": 
   escrever "Chuvas abundantes e ventos de sul a sudeste fortes"
  
  fimescolhe
  
fimescolhe

fim

</syntaxhighlight>

29/04: Estruturas de repetição

Páginas da apostila: 32 a 35.

Alguns algoritmos vistos anteriormente possuem sequências repetitivas de instruções. Por exemplo, o algoritmo da média de quatro avaliações:

Inicio
  real m1, m2, m3, m4
  real media

  escrever 'Avaliação 1:'
  Ler m1
  escrever 'Avaliação 2:'
  Ler m2
  escrever 'Avaliação 3:'
  Ler m3
  escrever 'Avaliação 4:'
  Ler m4

  media <- (m1 + m2 + m3 + m4) / 4

  escrever 'Média: ', media
Fim

O algoritmo acima repete quatro vezes a sequência que lê uma nota do teclado. Porém há uma forma de expressar a repetição de sequências de instruções, usando-se o que se chama de estrutura de repetição. A estrutura de repetição enquanto condição faz repete todas as instruções enquanto a condição for verdadeira. A condição é escrita como uma expressão lógica, da mesma forma que na estrutura de decisão se condição então ... senão. Veja como fica o algoritmo acima ao ser reescrito para usar essa estrutura de repetição:

Inicio
  constante inteiro NUMEROS <- 4
  real m
  real media
  inteiro contador <- 0

  enquanto contador < NUMEROS faz  
    escrever 'Avaliação ', contador, ':'
    ler m
    media <- media + m
    contador <- contador + 1
  fimEnquanto

  escrever 'Média: ', media/NUMEROS
Fim

Esse algoritmo funciona somente para médias de quatro números. Porém calcular a média de qualquer quantidade de números usa a mesma lógica: ler os números, somá-los e dividir o total pela quantidade de números lidos. Por exemplo, para fazer com que ele calcule a média de 7 números é necessário escrevê-lo assim:

Inicio
  constante inteiro NUMEROS <- 7
  real m
  real media
  inteiro contador <- 0

  enquanto contador < NUMEROS faz  
    escrever 'Avaliação ', contador, ':'
    ler m
    media <- media + m
    contador <- contador + 1
  fimEnquanto

  escrever 'Média: ', media/NUMEROS
Fim

Note que o algoritmo praticamente não foi modificado, pois somente se alterou o valor da constante NUMEROS.

A estrutura de repetição junto com a sequência de instruções a ser repetida é comumente chamada de 'laço. Assim, no algoritmo acima o laço aparece em:

  enquanto contador < NUMEROS faz  
    escrever 'Avaliação ', contador, ':'
    ler m
    media <- media + m
    contador <- contador + 1
  fimEnquanto

Um outro exemplo ainda mais simples é mostrar na tela uma contagem numérica:

inicio
    inteiro contador
    contador <- 0

    enquanto contador < 10 faz
        escrever contador , " "
        contador <- contador + 1
    fimenquanto
fim

Ao executar esse algoritmo, tem-se como resultado:

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9

Repare no uso de uma variável auxiliar contador para controlar a quantidade de repetições. Essa é uma técnica comum para controlar a estrutura de repetição, e já foi usada no exemplo da média. Ela pode também ser combinada com outras condições, como mostrado abaixo:

inicio
    inteiro contador <- 1
    caracter opcao <- "s"
        
    enquanto ((opcao = "s") ou (opcao = "S")) e contador < 11 faz
        escrever contador, "\n"
        contador <- contador + 1
        
        escrever "\nContinuar (S/N) ? "
        ler opcao
    fimenquanto
    
    escrever "Terminou com contador = " , contador
fim

Nesse exemplo se usa um laço para mostrar uma contagem de 1 a 10. Porém há a possibilidade de encerrar o algoritmo. Observe a condição para continuidade do laço: ela é verdadeira somente se contador < 11 e se a variável opcao for igual a "s" ou "S".

Finalmente, apesar de ser comum o uso de contadores para controle do laço, pode-se usar qualquer condição para essa finalidade. Então podem existir laços que não usam contadores para controlar a quantidade de repetições, como no próximo exemplo:

inicio
    constante texto segredo <- "secreto"
    texto senha
    
    ler senha
    enquanto senha =/= segredo faz
        escrever "Voce continua preso ! Digite a senha correta: "
        ler senha
    fimenquanto
    escrever "Voce foi liberado ..."
fim


Solução do problema proposto em sala (aula dia 29/04/2010) feita pelo Thiarles

inicio

   inteiro opcao <- 0
   real numero1 <- 0 , numero2 <- 0 , resultado <- 0
   enquanto opcao =/= 5 faz
       escrever "\n Entre com a opção desejada: 1- Adição; 2- Subtração; 3- Multiplicação; 4- Divisão , 5- Sair."
       ler opcao
       se opcao = 5 entao
           escrever "\n Você saiu com sucesso!"
       senao
           escrever "\n Lembre-se: Na subtração e na divisão a ordem dos números é importante!"
           escrever "\n Entre com o primeiro número: "
           ler numero1
           escrever "\n Entre com o segundo número: "
           ler numero2
           se opcao = 1 entao
               resultado <- ( numero1 + numero2 )
               escrever "\n A soma dos dois números é: " , resultado
           fimse
           se opcao = 2 entao
               resultado <- ( numero1 - numero2 )
               escrever "\n A subtração dos dois números é: " , resultado
           fimse
           se opcao = 3 entao
               resultado <- ( numero1 * numero2 )
               escrever "\n O produto dos dois números é: " , resultado
           fimse
           se opcao = 4 entao
               se numero2 = 0 entao
                   escrever "\n Não existe divisão por 0 (zero)."
               senao
                   resultado <- ( numero1 / numero2 )
                   escrever "\n A divisão dos dois números é: " , resultado
               fimse
           fimse
           se ( opcao =/= 1 e opcao =/= 2 ) e ( opcao =/= 3 e opcao =/= 4 ) entao
               escrever "\n Esta operação não está definida."
           fimse
       fimse
   fimenquanto
fim

</syntaxhighlight>


Atividades

  1. Escreva um algoritmo que mostre a tabuada de um número fornecido pelo teclado. Esse número deve estar entre 1 e 10.
  2. Modifique o exemplo da média para que a quantidade de números a serem lidos seja previamente informada pelo teclado.
  3. Modifique novamente o exemplo da média para que ela funcione para um quantidade de números desconhecida de antemão. Quer dizer, o algoritmo deve ler os números para calcular a média, mas não sabe quantos números existem (e isto não pode ser informado pelo teclado).
  4. Modifique o exemplo da senha para que o usuário tenha somente três tentativas permitidas para digitar a senha correta. caso ao final as três senhas estejam erradas, o algoritmo deve informar que a conta foi bloqueada.
  5. Escreva um algoritmo que leia até 10 números do teclado, e informe ao final qual o maior e o menor deles.
  6. Escreva um algoritmo que teste se um número informado pelo teclado é primo.

30/04: Estruturas de repetição

Variáveis multidimensionais

Em matemática existem matrizes e vetores, que são variáveis multidimensionais. Por exemplo, uma matriz 3 x 3 (3 linhas e 3 colunas) pode ser:

Vetores são matrizes unidimensionais, portanto possuem somente uma linha ou uma coluna:

Cada elemento em uma matriz ou vetor é identificado pela sua posição. Por exemplo, na posição 1, 2 da matriz A acima está o valor 6, e na posição 4 do vetor v está o valor 18. Assim, a matriz A do exemplo pode ser entendida da seguinte forma:

... e o vetor v do exemplo:

Nas linguagens de programação em geral existe um conceito muito parecido, chamado de variáveis multidimensionais ou simplesmente matrizes (arrays em inglẽs). Para exemplificar, no Portugol se poderiam definir a matriz A e o vetor v:

inicio
  inteiro A[2][2] <- {{1, 6}, {3, 5}}
  inteiro M[3][2];
  inteiro v[5] <- {1, 6, 2, 18, 5}
  inteiro i, j

  escrever "Valor de A[0][0]: ", A[0][0], "\n"
  escrever "Valor de A[0][1]: ", A[0][1], "\n"
  escrever "Valor de A[1][0]: ", A[1][0], "\n"
  escrever "Valor de A[1][1]: ", A[1][1], "\n"

  escrever "Valor de v[0]: ", v[0], "\n"
  escrever "Valor de v[1]: ", v[1], "\n"
  escrever "Valor de v[2]: ", v[2], "\n"
  escrever "Valor de v[3]: ", v[3], "\n"
  escrever "Valor de v[4]: ", v[4], "\n"

fim

A declaração da matriz se faz como uma variável comum, porém indicando-se suas dimensões:

  inteiro A[2][2] <- {{1, 6}, {3, 5}}
  inteiro M[3][2];

Exemplo de preenchimento e impressão de matrizes não quadradas

inicio
	inteiro i,j, mat[2][4]
    
      //leitura (preenchimento da matriz)
      para i de 0 ate 1 passo 1
          para j de 0 ate 3 passo 1
              ler mat[i][j]
          proximo
      proximo
      
      //impressão da matriz
      para i de 0 ate 1 passo 1
          para j de 0 ate 3 passo 1
              escrever "O valor na linha: ",i, "Coluna: ", j, "eh: ", mat[i][j]
              escrever "\n"
          proximo
      proximo
fim

Veja que a matriz M foi declarada sem valores iniciais, porém a matriz A foi inicializada na declaração.

O acesso aos elementos da matriz se faz usando-se índices, que funcionam como coordenadas dos elementos que se quer acessar. Os índices iniciam em 0:

  # índice 0,0
  escrever "Valor de A[0][0]: ", A[0][0], "\n"

O exemplo acima pode ser reescrito usando-se estruturas de repetição:

inicio
  inteiro A[2][2] <- {{1, 6}, {3, 5}}
  inteiro v[5] <- {1, 6, 2, 18, 5}
  inteiro i, j

  enquanto i < 2 faz
    j <- 0
    enquanto j < 2 faz
       escrever "Valor do elemento de A na posição ", i, ", ", j, ": ", A[i][j], "\n"
       j <- j + 1
    fimenquanto
    i <- i + 1
  fimenquanto

  i <- 0
  enquanto i < 5 faz
    escrever "valor de v na posição ", i, ": ", v[i], "\n"
    i <- i + 1
  fimenquanto

fim

Como se vê, matrizes e vetores casam perfeitamente com estruturas de repetição, e são úteis para a resolução de inúmeros problemas. Por exemplo, o problema de mostrar o nome do mês a partir do número do mês, feito anteriormente com escolhe ... caso pode ser feito assim com um vetor:

inicio
  texto nome_mes[12] <- {"Janeiro", "Fevereiro", "Março", "Abril", "Maio", "Junho", "Julho", "Agosto", "Setembro", 
                         "Outubro", "Novembro, "Dezembro"}
  inteiro dia, mes, ano

  escrever "Dia: "
  ler dia
  escrever "Mes: "
  ler mes
  escrever "Ano: "
  ler ano

  escrever dia, " de ", nome_mes[mes], " de ", ano
fim

Outro problema comum é precisar guardar um conjunto de valores, e depois ordená-los:

inicio
  inteiro v[10]
  inteiro i
  inteiro quantidade

  escrever "Quantos valores serão digitados (máximo = 10) ? "
  ler quantidade

  i <- 0
  enquanto i < quantidade faz
    escrever "valor ", i, ": "
    ler v[i]
    i <- i + 1
  fimenquanto

  // ordena os valores ...

  escrever "valores ordenados: "
  i <- 0
  enquanto i < quantidade
    escrever v[i], " "
    i <- i + 1
  fimenquanto
fim

Atividades

  1. Escreva um algoritmo que leia 5 números do teclado, e depois mostre-os em ordem inversa à que foi digitada.
  2. Escreva um algoritmo que leia dois vetores de 5 números, e depois mostre se os vetores são iguais.
  3. Escreva um algoritmo que leia um palavra do teclado e depois procure-a numa lista de palavras preexistente. Essa lista deve ser implementada usando um vetor.
  4. Escreva um algoritmo que leia 5 números, e mostre-os em ordem crescente.
  5. Modifique o algoritmo anterior para mostrá-los em ordem decrescente.
  6. Em um jogo de bingo devem-se contar quantos números de uma aposta foram sorteados no bingo. Faça um algoritmo que, dados os números sorteados e uma aposta, conta quantos números apostados forma sorteados.

Solução exercício 4 e 6 propostos pelo Luiz Gustavo

inicio

   //declaração da variáveis
   inteiro v [ 5 ] , i , j , troca
   //entrada de dados
   para i de 0 ate 4 passo 1
       ler v [ i ]
   proximo
   //organizar em ordem crescente
   para i de 0 ate 4 passo 1
       para j de 0 ate 4 passo 1
           se v [ i ] > v [ j ] entao
               troca <- v [ i ]
               v [ i ] <- v [ j ]
               v [ j ] <- troca
           fimse
       proximo
   proximo
   //impressão dos dados
   para i de 0 ate 4 passo 1
       escrever "\n" , v [ i ]
   proximo

fim </syntaxhighlight>

inicio

   //declaração das variáveis
   inteiro lista_num [5][5] <- {{10, 5, 20, 31, 33}, {51, 12, 13, 15, 29}, {25, 28, 22, 26, 36},

{11, 24, 34, 54, 44}, {1, 2, 55, 3, 5}}

   inteiro numero [5][5],i,j,cont
   //entrada de dados
   escrever "Informe os números do Bingo: "
   enquanto i < 5 faz
       j <- 0
       enquanto j < 5 faz
           ler numero [ i ] [ j ]
           j <- j + 1
       fimenquanto
       i <- i + 1
   fimenquanto
   //verificando quantos números são iguais
   i <- 0
   enquanto i < 5 faz
       j <- 0
       enquanto j < 5 faz
           se (numero [i][j] = lista_num [i][j]) entao
               cont <- cont + 1
           fimse
           j <- j + 1
       fimenquanto
       i <- i + 1
   fimenquanto
   //Imprimindo os dados
   escrever "A quantidade de números sorteados nesta aposta foi: " , cont

fim </syntaxhighlight>

06/05: Revisão para avaliação de Lógica de Programação

1. Crie um programa que lê três inteiros e informa VERDADEIRO se apenas o maior deles é par ou se o menor deles é ímpar ou informa FALSO em caso contrário.

2. Desenvolva um programa que recebe do usuário o placar de um jogo de futebol (os gols de cada time) e informa se o resultado foi um empate, a vitória do primeiro time ou do segundo time.

3. Elabore um programa que recebe do usuário três cadeias de caracteres e informa VERDADEIRO se há pelo menos duas diferentes cadeias iguais aos valores 'azul', 'preto'ou 'vermelho' ou FALSO em caso contrário. Exemplos: {'azul', 'preto', 'branco'} é VERDADEIRO; {'azul', 'roxo', 'azul'} é FALSO; {'preto', vermelho', 'vermelho'} é VERDADEIRO.

4. Tendo-se como dados de entrada a altura e o sexo de uma pessoa, construa um algoritmo que calcule seu peso ideal, utilizando as seguintes fórmulas:

    • para homens: (72,7 * h) – 58;
    • para mulheres: (62,1 * h) – 44,7.

5. Escrever um algoritmo, que leia um conjunto de 23 dados, cada um, contendo o peso e o código do sexo ("F" ou "M") dos alunos de uma classe, calcule e imprima:

    • Maior e o menor peso da turma;
    • A média de peso dos homens;
    • A média de peso da turma;

Solução proposta pelo Manfred Ex. 1

inicio

   inteiro n1 <- 0 , n2 <- 0 , n3 <- 0 , maior <- 0 , menor <- 0
   escrever "Digite o primeiro número: "
   ler n1
   escrever "Digite o segundo número: "
   ler n2
   escrever "Digite o terceiro número: "
   ler n3
   maior <- n1
   se ( n2 > maior ) entao
       maior <- n2
   fimse
   se ( n3 > maior ) entao
       maior <- n3
   fimse
   menor <- n1
   se ( n2 < menor ) entao
       menor <- n2
   fimse
   se ( n3 < menor ) entao
       menor <- n3
   fimse
   se ( maior % 2 ) = 0 ou ( menor % 2 ) =/= 0 entao
       escrever "Verdadeiro"
   senao
       escrever "Falso"
   fimse

fim


</syntaxhighlight>

Proposta do Luiz para exercício 5

inicio
    //declaração das variaveis
    real peso [ 5 ] <- 0 , menor <- 0 , maior <- 0 , pesom <- 0 , pesot <- 0
    inteiro i , cont <- 0
    caracter sexo [ 5 ]
    //entrada de dados
    para i de 0 ate 4 passo 1
        escrever "Informe o peso do " , ( i + 1 ) , "º aluno: "
        ler peso [ i ]
        escrever "Informe o código do sexo do " , ( i + 1 ) , "º aluno (Masculino= M; Feminino= F): "
        ler sexo [ i ]
        escrever "\n"
    proximo
    //testando o maior e menor peso
    maior <- peso [ 1 ]
    menor <- peso [ 1 ]
    para i de 0 ate 4 passo 1
        se ( peso [ i ] > maior ) entao
            maior <- peso [ i ]
        fimse
        se ( peso [ i ] < menor ) entao
            menor <- peso [ i ]
        fimse
    proximo
    //calculando a media de peso dos homens
    para i de 0 ate 4 passo 1
        se ( sexo [ i ] = "M" ) ou ( sexo [ i ] = "m" ) entao
            pesom <- ( pesom + peso [ i ] )
            cont <- ( cont + 1 )
        fimse
    proximo
    //calculando a media de peso da turma
    para i de 0 ate 4 passo 1
        pesot <- ( peso [ i ] + pesot )
    proximo
    //impressão dos dados
    escrever "\nO maior peso é: " , maior , "\nO menor peso é: " , menor
    escrever "\nA média de peso dos homens é: " , ( pesom / cont )
    escrever "\nA média de peso da turma é: " , ( pesot / 5 )
fim

07/05: Revisão Lógica de Programação, com respostas :)

1. Desenvolver um programa que efetue a leitura de 5 elementos de uma matriz A do tipo vetor. Construir uma matriz B de mesmo tipo, observando a seguinte lei de formação: Se o valor do índice for par, o valor deverá ser multiplicado por 5, sendo ímpar deverá ser somado por 5. Ao final mostrar os conteúdos das duas matrizes.


inicio

     //declaração dos vetores A e B

inteiro i,a[5],b[5]

     //formação do vetor A
     para i de 0 ate 4 passo 1
         ler a[i]
     proximo
     
     //guarda valor na posição par
     para i de 0 ate 4 passo 2
         b[i]<-a[i]*5
     proximo
     
     //guarda valor na posição ímpar
     para i de 1 ate 4 passo 2
         b[i]<-a[i]+5
     proximo
     
     //apresenta valor B resposta
     escrever "Formação do vetor B (vetor respota):"
     escrever "\n"
     
     para i de 0 ate 4 passo 1
         escrever "O valor da posição ",i, " é: ", b[i]
         escrever "\n"
     proximo

fim </syntaxhighlight>

Solução para o exercício 1 desenvolvida pelo Thiarlles e Manfred:

inicio real matrizA[10], matrizB[10]

          inteiro i<-0
          escrever "\n Construa a matriz A."
          enquanto i <= 9 faz 
              escrever  "\n Entre com a posição ", i
              ler matrizA[i]
              i <- i+1
          fimEnquanto
          i <- 0 
          enquanto i <= 9 faz 
              escrever matrizA[i], " "
              i <- i+1   
          fimEnquanto  
          escrever "\n "
          i <- 0
          enquanto i <= 9 faz
              matrizB[i] <- ((matrizA[i])*5)
              matrizB[i+1] <- ((matrizA[i+1])+5)
              i <- i+2
          fimEnquanto
          i <- 0
          escrever "\n A matriz B será: "
          enquanto i <= 9 faz 
              escrever matrizB[i], "   " 
              i <- i+1
          fimenquanto 

fim </syntaxhighlight>

2. Desenvolver um programa que efetue a leitura de 5 elementos de uma matriz A do tipo vetor. No final, apresente o total da soma de todos os elementos que sejam ímpares.

inicio

   //declaração das variáveis
   inteiro a [5] , i , soma <- 0
   //entrada de dados
   para i de 0 ate 4 passo 1
       ler a [i]
   proximo
   //construindo a matriz "B"
   para i de 0 ate 4 passo 1
       se ( a [i] % 2 =/= 0 ) entao
           soma <- soma + a [ i ]
       fimse
   proximo
   //impressão dos dados
   escrever "O valor da soma dos numero ímpares é: " , soma

fim </syntaxhighlight>

3. Ler 15 elementos de uma matriz A do tipo vetor. Construir uma matriz B de mesmo tipo. Observando a seguinte lei de formação: “Todo elemento de B deverá ser o quadrado do elemento de A correspondente”.

inicio

   //declaração das variáveis
   inteiro a[15] ,b[15] ,i
   //entrada de dados
   para i de 0 ate 14 passo 1
       ler a[i]
   proximo
   //construindo a matriz "B"
   para i de 0 ate 14 passo 1
       b[i] <- a[i] * a[i]
   proximo
   //impressão dos dados
   escrever "\nMatriz A:"
   para i de 0 ate 14 passo 1
       escrever "" , a[i]
   proximo
   escrever "\nMatriz B:"
   para i de 0 ate 14 passo 1
       escrever "" , b [i]
   proximo

fim </syntaxhighlight>

4. Escreva um algoritmo que:

    • Leia uma matriz 5 x 5 de elementos reais;
    • Divida cada elemento de uma linha da matriz pelo elemento da diagonal principal desta linha;
    • Imprima a matriz assim modificada.

inicio

   //declaração das variáveis
   real a [5] [5] , b [5] [5]
   inteiro i , j
   //entrada de dados
   para i de 0 ate 4 passo 1
       para j de 0 ate 4 passo 1
           ler a [i] [j]
       proximo
   proximo
   //dividindo a linha da matriz por sua diagonal principal
   para i de 0 ate 4 passo 1
       para j de 0 ate 4 passo 1
           b [i] [j] <- ( a [i] [j] / a [i] [i] )
       proximo
   proximo
   //impressão dos dados
   escrever "\nMatriz: "
   escrever "\n"
   para i de 0 ate 4 passo 1
       escrever "\n" , a [i] [0] , " " , a [i] [1] , " " , a [i] [2] , " " , a [i] [3] , " " , a [i] [4]
   proximo
   escrever "\n\nMatriz modificada: "
   escrever "\n"
   para i de 0 ate 4 passo 1
       escrever "\n" , b [i] [0] , " " , b [i] [1] , " " , b [i] [2] , " " , b [i] [3] , " " , b [i] [4]
   proximo

fim </syntaxhighlight>

5. Elabore um algoritmo para corrigir provas de múltipla escolha. Assuma que em cada prova encontraremos os seguintes dados: RM, NOME DO ALUNO, MATÉRIA e BIMESTRE, além de 10 questões numeradas de 1 até 10 e que cada questão possui 5 alternativas identificadas pelas letras de “a” até “e”. Primeiramente, o algoritmo deve ler o gabarito e o número de provas a serem corrigidas . A seguir, os dados das provas a serem corrigidas devem ser lidas. Ainda, o algoritmo deverá calcular e escrever:

    • O RM, NOME DO ALUNO, MATÉRIA, BIMESTRE e a NOTA de cada aluno (assumindo que cada questão correta vale 1 ponto).
    • A porcentagem de aprovação, assumindo que a nota mínima para aprovação é 6.

inicio

   //declaração das variáveis
   caracter gab [10] , resp [10]
   inteiro i , qtdprova , cont <- 0 , aprovados <- 0
   real nota <- 0
   texto rm <- "" , aluno <- "" , mat <- "" , bimestre <- ""
   
   //entrada de dados
   para i de 0 ate 9 passo 1
       escrever "Informe o gabarito da " , (i + 1) , "ª questão:"
       ler gab [i]
   proximo
   
   escrever "Informe a quantidade de provas: "
   ler qtdprova
   
   //dados das provas
   enquanto cont < qtdprova faz
       escrever "**************************************************"
       escrever "\nInforme RM: "
       ler rm
       escrever "Informe o nome do aluno: "
       ler aluno
       escrever "Informe a matéria: "
       ler mat
       escrever "Informe o bimestre: "
       ler bimestre
       //informando as respostas
       para i de 0 ate 9 passo 1
           escrever "Informe a resposta da " , (i + 1) , "ª questão:"
           ler resp [i]
       proximo
       
       //corrigindo a prova
       nota <- 0
       para i de 0 ate 9 passo 1
           se ( gab [i] = resp [i] ) entao
               nota <- nota + 1
           fimse
       proximo
       
       //informando a nota
       escrever "A nota do(a) " , aluno , " é: " , nota , "\n\n"
       
       //verificando aprovação do aluno
       se ( nota >= 6 ) entao
           aprovados <- ( aprovados + 1 )
       fimse
       cont <- ( cont + 1 )
   fimenquanto
   
   //imprimindo valores
   escrever "\n**************************************************"
   escrever "\nA quantidade de aprovados é: " , aprovados

fim </syntaxhighlight>

13/05: Avaliação de Lógica de Programação (não será alterada)

Dicas para a avaliação (vale a pena revisar conceitos):

    • Números primos
    • Fatorial
    • MDC: Máximo Divisor Comum
    • MMC: Mínimo Múltiplo Comum
    • Cálculo para série de Fibonacci

14/05: Linguagem C

    • Introdução a linguagem C
    • Primeiros Programas
    • Compilador Gcc

20/05: Projeto Final da Disciplina

O jogo: Batalha Naval

  • Etapas de desenvolvimento:
  1. Desenha 1 onda
  2. Desenha 1 linha de ondas
  3. Desenha 1 matriz de tamanho fixo de ondas
  4. Desenha 1 matriz de tamanho variável de ondas (o usuário informa as dimensões)
  5. Mapeia 1 barco: latitude e longitude (vetor)
  6. Desenha o mar com 1 barco
  7. Mapeia 10 barcos: latitude e longitude (matriz)
  8. Desenha os 10 barcos
  9. Mapeia 10 barcos: latitude, longitude e se já foi atingido
  10. Pede ao usuário atirar
  11. Se o barco foi atingido, desenhar um X
  12. Ao final (todo os barcos atingidos): informar o usuário que venceu em 'n' movimentos
  • Proposta de código que contempla:
    • Bibliotecas e definições
    • Declaração de constantes e variáveis
      • Uso de variáveis com mesmo nome e diferentes escopos
      • Vetor e matriz
    • Operadores lógicos e matemáticos
    • Expressões
      • E/S
      • Estruturas de decisão e repetição
    • Funções
      • Passagem de parâmetro por valor e por referência
    • Acesso a uma matriz através de um vetor linear (função iniciaJogo)
    • Ponteiros

Introdução a Linguagem C

Compilando o primeiro programa

  • O clássico Hello World!
#include <stdio.h>

int main(int argc, char *argv[])
{
	printf("Alô mundo!\n");
}
  • Mostrando mensagens de na tela: puts e printf:
    #include <stdio.h>
    
    int main() {
      int n;
    
      n = 5;
      
      puts("Demonstração de puts e printf");
    
      printf("Valor de n: %d\n", n);
    
      n = n + 1;
    
      printf("Novo valor de n: %d\n", n);
    
      return 0;
    }
    
  • Lendo dados do teclado: scanf
    #include <stdio.h>
    
    int main() {
      int n;
    
      printf("Digite um número inteiro: ");
    
      scanf("%d", &n);
    
      printf("Valor digitado foi %d\n", n);
    
      return 0;
    }
    
  • Tipos de dados:
Portugol C Exemplo
inteiro int int x;
caracter char char letra;
real float ou double float pi = 3.1416;
texto char * ou vetor de char char * mensagem = "Hello world";
char palavra[16];
logico qualquer tipo (valor 0 = Falso, qualquer outro valor = Verdadeiro) int ok = 1;
char teste = 0;

Atividades

  • Traduza para C os seguintes algoritmos Portugol:

1.

Inicio
  inteiro x, y
 
  Escrever "Digite um numero: ",
  Ler x
  Escrever "Digite outro numero: ",
  Ler y
  Escrever "Soma = ", x+y
Fim

2.

Inicio
  inteiro x, y, z
 
  Escrever "Digite um numero: ",
  Ler x
  Escrever "Digite outro numero: ",
  Ler y
  z <- x + y
  Escrever "Soma = ", z
Fim

3.

Inicio
  Inteiro n1, n2, n3, r
 
  Escrever "Primeiro numero: "
  ler n1
  Escrever "Segundo numero: "
  ler n2
  Escrever "Terceiro numero: "
  ler n3
 
  r <- (n1 + n2 + n3) /3
 
  Escrever "Media=", r
Fim

4.

Inicio
  inteiro anos, dias
 
  Escrever "Quantos anos se passaram ? "
  Ler anos
  dias <- anos * 365
  Escrever "... então se passaram ", dias, " dias"
Fim

5.

Inicio
  constante inteiro diasPorAno <- 365
  inteiro anos, dias
 
  Escrever "Quantos anos se passaram ? "
  Ler anos
  dias <- anos * diasPorAno
  Escrever "... então se passaram ", dias, " dias"
Fim

21/05: Constantes e Variáveis

Atividade

  • Traduza para C os seguintes algoritmos Portugol:

1 inicio

   //declaração da variáveis
   inteiro v [ 5 ] , i , j , troca
   //entrada de dados
   para i de 0 ate 4 passo 1
       ler v [ i ]
   proximo
   //organizar em ordem crescente
   para i de 0 ate 4 passo 1
       para j de 0 ate 4 passo 1
           se v [ i ] > v [ j ] entao
               troca <- v [ i ]
               v [ i ] <- v [ j ]
               v [ j ] <- troca
           fimse
       proximo
   proximo
   //impressão dos dados
   para i de 0 ate 4 passo 1
       escrever "\n" , v [ i ]
   proximo

fim </syntaxhighlight>

2

inicio

     //declaração dos vetores A e B

inteiro i,a[5],b[5]

     //formação do vetor A
     para i de 0 ate 4 passo 1
         ler a[i]
     proximo

     //guarda valor na posição par
     para i de 0 ate 4 passo 2
         b[i]<-a[i]*5
     proximo

     //guarda valor na posição ímpar
     para i de 1 ate 4 passo 2
         b[i]<-a[i]+5
     proximo

     //apresenta valor B resposta
     escrever "Formação do vetor B (vetor respota):"
     escrever "\n"

     para i de 0 ate 4 passo 1
         escrever "O valor da posição ",i, " é: ", b[i]
         escrever "\n"
     proximo

fim

</syntaxhighlight>


3

inicio
	 real matrizA[10], matrizB[10]   
           inteiro i<-0
           escrever "\n Construa a matriz A."
           enquanto i <= 9 faz 
               escrever  "\n Entre com a posição ", i
               ler matrizA[i]
               i <- i+1
           fimEnquanto
           i <- 0 
           enquanto i <= 9 faz 
               escrever matrizA[i], " "
               i <- i+1   
           fimEnquanto  
           escrever "\n "
           i <- 0
           enquanto i <= 9 faz
               matrizB[i] <- ((matrizA[i])*5)
               matrizB[i+1] <- ((matrizA[i+1])+5)
               i <- i+2
           fimEnquanto
           i <- 0
           escrever "\n A matriz B será: "
           enquanto i <= 9 faz 
               escrever matrizB[i], "   " 
               i <- i+1
           fimenquanto 
fim


4

inicio
    //declaração das variáveis
    inteiro a [5] , i , soma <- 0
    //entrada de dados
    para i de 0 ate 4 passo 1
        ler a [i]
    proximo
    //construindo a matriz "B"
    para i de 0 ate 4 passo 1
        se ( a [i] % 2 =/= 0 ) entao
            soma <- soma + a [ i ]
        fimse
    proximo
    //impressão dos dados
    escrever "O valor da soma dos numero ímpares é: " , soma
fim

5

inicio
    //declaração das variáveis
    inteiro a[15] ,b[15] ,i
    //entrada de dados
    para i de 0 ate 14 passo 1
        ler a[i]
    proximo
    //construindo a matriz "B"
    para i de 0 ate 14 passo 1
        b[i] <- a[i] * a[i]
    proximo
    //impressão dos dados
    escrever "\nMatriz A:"
    para i de 0 ate 14 passo 1
        escrever "" , a[i]
    proximo
    escrever "\nMatriz B:"
    para i de 0 ate 14 passo 1
        escrever "" , b [i]
    proximo
fim

27/05: Batalha Naval

Para referência: apostila online sobre linguagem C.

  • Etapas de desenvolvimento:
  1. Desenha 1 onda
  2. Desenha 1 linha de ondas
  3. Desenha 1 matriz de tamanho fixo de ondas
  4. Desenha 1 matriz de tamanho variável de ondas (o usuário informa as dimensões)
  5. Mapeia 1 barco: latitude e longitude (vetor)
  6. Desenha o mar com 1 barco
  7. Mapeia 10 barcos: latitude e longitude (matriz)
  8. Desenha os 10 barcos
  9. Mapeia 10 barcos: latitude, longitude e se já foi atingido
  10. Pede ao usuário atirar
  11. Se o barco foi atingido, desenhar um X
  12. Ao final (todo os barcos atingidos): informar o usuário que venceu em 'n' movimentos
  • Proposta de código que contempla:
    • Bibliotecas e definições
    • Declaração de constantes e variáveis
      • Uso de variáveis com mesmo nome e diferentes escopos
      • Vetor e matriz
    • Operadores lógicos e matemáticos
    • Expressões
      • E/S
      • Estruturas de decisão e repetição
    • Funções
      • Passagem de parâmetro por valor e por referência
    • Acesso a uma matriz através de um vetor linear (função iniciaJogo)
    • Ponteiros
  • Uma versão do jogo implementado:
#include <stdio.h>

#define QTDE_BARCOS 2


int iniciaJogo(int *barcos, int *tiros, int *atingidos)
{
	int barco;
	for(barco=0; barco<QTDE_BARCOS; barco++)
	{
		printf("\nBarco número %d:\n", barco + 1); // O primeiro barco é o de no. zero :-)
		printf("Informe a latitude do barco: ");
		scanf("%d", barcos + 3*barco);	// end. inicial (barcos)
										// + qtde. objetos por linha
										// * linhas
										// + coluna (1o. elemento)
		printf("Informe a longitude do barco: ");
		scanf("%d", barcos + 3*barco + 1);	// end. inicial (barcos)
											// + qtde. objetos por linha
											// * linhas
											// + coluna (2o. elemento)
		*(barcos + 3*barco + 2) = 0;	// endereço inicial (barcos)
										// + qtde. objetos por linha
										// * linhas
										// + coluna (3o. elemento)
	}
	*tiros = 0;
	*atingidos = 0;
}

char desenhaPonto(int linha, int coluna, int barcos[QTDE_BARCOS][3])
{
	int barco;
	
	for (barco=0; barco<QTDE_BARCOS; barco++)
	{
		if (linha==barcos[barco][0] & coluna==barcos[barco][1])
		{
			if (barcos[barco][2] == 1)
			{
				return 'X';
			} 
		}
	}
	return '~';
}

desenhaMar(int linhas, int colunas, char onda, int barcos[QTDE_BARCOS][3])
{
	int linha;
	int coluna;
	int barco;
	int tinhaBarco;
	
	for (linha=1; linha<linhas; linha++)
	{
		for (coluna=1; coluna<colunas; coluna++)
		{
			printf("%c", desenhaPonto(linha, coluna, barcos));
		}
		printf("\n");
	}
}

int seVenceu(int barcos[QTDE_BARCOS][3])
{
	int barco;
	int atingidos = 0;
	
	for (barco=0; barco<QTDE_BARCOS; barco++)
	{
		if (barcos[barco][2] == 1)
			atingidos++;
	}
	return atingidos;
}

int main(int argc, char* argv[])
{
	const char onda= '~';
	int barcos[QTDE_BARCOS][3];
	int latitude;
	int longitude;
	int barco;
	int tiros;
	int atingidos;
	
	if (argc < 3)
	{
		printf("Use: %s (qtde. de linhas) (qtde. de colunas).\n", argv[0]);
		return -1;
	}
	
	// Inicia o jogo
	iniciaJogo(&barcos, &tiros, &atingidos);
	
	// Estrutura principal de repetição: vai atirando sem parar... :-P
	while (1)
	{
		// Limpa a tela
		system("clear");
		// Desenha o mar
		desenhaMar(atoi(argv[1]), atoi(argv[2]), onda, barcos);
		
		atingidos = seVenceu(barcos);
		if (atingidos == QTDE_BARCOS)
		{
			printf("\nParabéns! Venceu o jogo com %d tiros!\n", tiros);
			return 0;
		}
		else
		{
			printf("\nTiros: %d\n", tiros);
			printf("Alvos atingidos: %d.\n", atingidos);
			printf("\nDigite latitude e longitude:\n");
			printf("- Latitude: ");
			scanf("%d", &latitude);
			printf("- Longitude: ");
			scanf("%d", &longitude);
			for (barco=0; barco<QTDE_BARCOS; barco++)
			{
				if (latitude == barcos[barco][0] & longitude == barcos[barco][1])
				{
					barcos[barco][2] = 1;
					atingidos++;
				}
			}
			tiros++;
		}
	}
}

O tabuleiro

Representar o tabuleiro: etapas 1 a 4.

Etapa 1: desenhar uma onda

Conteúdos abordados:

Nessa etapa se deseja mostrar o estado de uma única posição do tabuleiro. Se o estado for "água", mostra-se uma onda (símbolo ~), e se for "navio" mostra-se X.

#include <stdio.h>

int main() {
  // 0: agua
  // 1: navio
  int posicao = 1;

  if (posicao == 0) {
    printf("~");
  } else {
    printf("X");
  }
}

Usou-se uma variável inteira para representar o estado da posição do tabuleiro. O valor 0 (zero) corresponde a "água", e 1 corresponde a "navio". Para testar o valor dessa variável, e mostrar ~ ou X, precisou-se de uma estrutura de decisão do tipo se (condição) então bloco_de instruções senão outro_bloco_de_instruções. Na linguagem C isso se faz com if (condição) { bloco de instruções } else {outro bloco de instruções}.

Etapa 2: desenhar uma linha de ondas

Nessa etapa deseja-se mostrar uma linha do tabuleiro. Por exemplo, para um tabuleiro de 10 colunas, uma linha deve aparecer assim (se tiver só "água'":

~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~

O problema é parecido com o da etapa 1, mas agora deve-se mostrar o estado de cada posição de uma linha. Foi sugerido o uso de um vetor para representar os estados das posições em uma linha. Assim, imaginando-se uma linha com 10 posições, o vetor abaixo poderia ser usado para representar seus estados:

int linha[10];

Repare na semelhança entre a declaração de um vetor em C e em Portugol. A ideia é a mesma: ao declarar o vetor deve-se informar sua capacidade (quantas posições ele possui, o que corresponde a quantos valores ele é capaz de armazenar). No exemplo acima, o vetor de inteiros linha possui 10 posições, e assim é capaz de guardar 10 números inteiros.

A tarefa da etapa 2 portanto é testar cada posição do vetor linha: se for 0 deve-se mostrar ~(água), e se for 1 deve-se mostrar X (navio).

Conteúdos abordados:

#include <stdio.h>

int main() {
  // 0: agua
  // 1: navio
  int linha[10] = {0,1,0,0,0,0,0,0,0,0};
  int y;

  y = 0;
  while (y < 10) {

    // Mostra ~ se posicao for agua, e X se for navio
    if (linha[y] == 0) {
      printf("~ ");
    } else {
      printf("X ");
    }

    y = y + 1;
  }

}


28/05: O tabuleiro (etapas 3 e 4)

Conteúdos abordados:

Desenhando o tabuleiro completo

Dando continuidade à visualização do tabuleiro, agora deve-se desenhá-lo por completo na tela. Quer dizer, mostrar um tabuleiro com 10 linhas e 10 colunas, seguindo a abordagem das etapas 1 e 2.

  • Para mostrar uma única casa do tabuleiro (etapa 1) usou-se uma variável inteira, cujo conteúdo representa o estado daquela casa (se água ou navio). Para mostrar uma linha usou-se um vetor com capacidade 10, com cada posição do vetor representando o estado da casa correspondente. Como se deve então fazer para mostrar todo o tabuleiro ?
    Possível solução: usando uma matriz bidimensional para representar todas suas casas:
    #include <stdio.h>
    
    int main() {
      // 0: agua
      // 1: navio
      int tabuleiro[10][10] = {{0,1,1,0,1,0,0,0,0,0}, {0,0,1,0,0,0,0,0,0,0},
                               {0,0,0,0,1,0,0,0,0,1}, {0,1,1,0,1,0,0,0,0,0},
                               {0,0,0,0,1,0,0,0,0,0}, {0,1,1,0,1,0,0,0,0,0},
                               {0,1,0,0,0,0,0,0,0,0}, {0,1,1,0,1,0,0,0,0,0},
                               {0,0,0,0,0,0,0,0,0,0}, {0,1,1,0,1,0,0,0,0,0}};
      int linha, coluna;
    
      linha = 0;
      while (linha < 10) {
          coluna = 0;
          while (coluna < 10) {
    
            // Mostra ~ se posicao for agua, e X se for navio
            if (tabuleiro[linha][coluna] == 0) {
              printf("~ ");
            } else {
              printf("X ");
            }
    
            coluna = coluna + 1;
          }
          printf("\n");
          linha = linha + 1;
      }
    
    }
    
  • Mostrar o tabuleiro na tela parece ser em si um algoritmo. Ele precisa apenas que se informem quais os estados das casas do tabuleiro. Esse algoritmo ficaria bem se implementado em uma função.
    #include <stdio.h>
    
      // 0: agua
      // 1: navio
    
    // Obs: a matriz "tabuleiro" foi tornada uma variável global porque é difícil
    // passar uma matriz como argumento de função. Assim ela pode ser acessada
    // pela função "mostra_tabuleiro".
    
    int tabuleiro[10][10] = {{0,1,1,0,1,0,0,0,0,0}, {0,0,1,0,0,0,0,0,0,0},
                               {0,0,0,0,1,0,0,0,0,1}, {0,1,1,0,1,0,0,0,0,0},
                               {0,0,0,0,1,0,0,0,0,0}, {0,1,1,0,1,0,0,0,0,0},
                               {0,1,0,0,0,0,0,0,0,0}, {0,1,1,0,1,0,0,0,0,0},
                               {0,0,0,0,0,0,0,0,0,0}, {0,1,1,0,1,0,0,0,0,0}};
    
    int mostra_tabuleiro() {
      int linha, coluna;
    
      linha = 0;
      while (linha < 10) {
          coluna = 0;
          while (coluna < 10) {
    
            // Mostra ~ se posicao for agua, e X se for navio
            if (tabuleiro[linha][coluna] == 0) {
              printf("~ ");
            } else {
              printf("X ");
            }
    
            coluna = coluna + 1;
          }
          printf("\n");
          linha = linha + 1;
      }
    }
    
    
    int main() {
      mostra_tabuleiro();
    
    }
    

Funções

A função mostra_tabuleiro corresponde ao algoritmo para desenhar o tabuleiro na tela. O tabuleiro em si é representado pela variável tabuleiro, que tem escopo global (visível em todas as funções do programa). Neste momento é bom ler um pouco mais sobre funções na linguagem C:

Escopo de variáveis

Por escopo de uma variável entende-se o bloco de código onde esta variável é válida. Com base nisto, temos as seguintes afirmações:

  • As variáveis valem no bloco que são definidas;
  • As variáveis definidas dentro de uma função recebem o nome de variáveis locais
  • As variáveis declaradas fora de qualquer função são chamadas de variáveis globais
  • Os parâmetros formais de uma função (também conhecidos como argumentos da função) valem também somente dentro da função;
  • Uma variável definida dentro de uma função não é acessível em outras funções, MESMO QUE ESSAS VARIÁVEIS TENHAM NOMES IDÊNTICOS.
Variáveis locais

No trecho de código a seguir tem-se um exemplo com funções e variáveis com nomes iguais.

#include <stdio.h>

void FUNC1() {
   int B;

   B = -100;
   printf("Valor de B dentro da função FUNC1: %d\n", B);
}

void FUNC2() {
   int B;

   B = -200;
   printf("Valor de B dentro da função FUNC2: %d\n", B);
}

void main() {
   int B;

   B = 10;
   printf("Valor de B: %d\n", B);
   B = 20;
   FUNC1();
   printf("Valor de B: %d\n", B);
   B = 30;
   FUNC2();
   printf("Valor de B: %d\n", B);
}

O resultado de sua execução deve ser:

Valor de B: 10
Valor de B dentro da função FUNC1: -100
Valor de B: 20
Valor de B dentro da função FUNC2: -200
Valor de B: 30
Variáveis globais

O seguinte exemplo mostra o mesmo programa, porém fazendo com que a variável B seja global:

#include <stdio.h>

// Declaração da variável global B
int B;

void FUNC1() {
   B = -100;
   printf("Valor de B dentro da função FUNC1: %d\n", B);
}

void FUNC2() {
   B = -200;
   printf("Valor de B dentro da função FUNC2: %d\n", B);
}

void main() {
   B = 10;
   printf("Valor de B: %d\n", B);
   B = 20;
   FUNC1();
   printf("Valor de B: %d\n", B);
   B = 30;
   FUNC2();
   printf("Valor de B: %d\n", B);
}

O resultado de sua execução deve ser:

Valor de B: 10
Valor de B dentro da função FUNC1: -100
Valor de B: -100
Valor de B dentro da função FUNC2: -200
Valor de B: -200

E se existir um variável local com mesmo nome que uma global ? nesse caso, a variável local vai esconder a sua homônima global:

#include <stdio.h>

// Declaração da variável global B
int B;

void FUNC1() {
   //  no escopo desta função, esta variável local vai esconder a variável global B! 
   int B; 

   B = -100;
   printf("Valor de B dentro da função FUNC1: %d\n", B);
}

void FUNC2() {
   B = -200;
   printf("Valor de B dentro da função FUNC2: %d\n", B);
}

void main() {
   B = 10;
   printf("Valor de B: %d\n", B);
   B = 20;
   FUNC1();
   printf("Valor de B: %d\n", B);
   B = 30;
   FUNC2();
   printf("Valor de B: %d\n", B);
}

O resultado de sua execução deve ser:

Valor de B: 10
Valor de B dentro da função FUNC1: -100
Valor de B: 20
Valor de B dentro da função FUNC2: -200
Valor de B: -200

Outra solução seria:

#include <stdio.h>

void main(void) {
    int tabuleiroLinhas, tabuleiroColunas;
    printf("Por favor, digite quantas linhas para o mar: ");
    scanf("%d", &tabuleiroLinhas);
    printf("Agora, digite quantas colunas para o mar: ");
    scanf("%d", &tabuleiroColunas);
    char mar[tabuleiroLinhas][tabuleiroColunas];

    int barcoLinha, barcoColuna;
    printf("Informe a linha do barco: ");
    scanf("%d", &barcoLinha);
    printf("E a coluna (do barco): ");
    scanf("%d", &barcoColuna);

    int linha, coluna;
    for (linha = 0; linha < tabuleiroLinhas; linha++) {
        for (coluna = 0; coluna < tabuleiroColunas; coluna++) {
            mar[linha][coluna] = '~';
            if (linha == barcoLinha-1 && coluna == barcoColuna-1) {
                printf("*");
            } else {
                printf("%c", mar[linha][coluna]);
            }
        }
        printf("\n");
    }
}

Para fixar

  1. Escreva o programa para mostrar a tabuada de um número lido do teclado.
    #include <stdlib.h>
    #include <stdio.h>
    
    /*
     * 
     */
    int main(int argc, char** argv) {
    
        int numero, c;
    
        printf("Numero: ");
        scanf("%d", &numero);
    
        c = 1;
        while (c < 11) {
            printf("%d X %d = %d\n", numero, c, numero*c);
            c++;
        }
    
        return (EXIT_SUCCESS);
    }
    
  2. Reescreva o programa anterior, mas usando uma função para mostrar a tabuada.
    #include <stdio.h>
    
    int tabuada(int num) {
        int c = 1;
        while (c < 11) {
            printf("%d X %d = %d\n", num, c, num*c);
            c++;
        }
    
    }
    int main(int argc, char** argv) {
    
        int numero, c;
    
        printf("Numero: ");
        scanf("%d", &numero);
    
        tabuada(numero);
        
        return (EXIT_SUCCESS);
    }
    
  3. Modifique o programa anterior para mostrar a tabuada de todos os números entre 1 e 10. Obs: não modifique a função tabuada!
  4. Escreva um programa para ler 10 números do teclado, e em seguida mostrar o maior e o menor número.
  5. Reescreva o programa anterior, mas criando as função "maior" e "menor", que retornam o maior e menor número de um vetor de tamanho arbitrário.

03/06 e 04/06: Feriado Nacional

10/06: Os navios (etapas 4, 5, 6 e 7)

  • Continuando a representar os navios ... por enquanto somente os submarinos
    • Ainda há o problema de esconder as casas do tabuleiro ainda não acertadas por tiros: a existência de um navio ou água em uma casa somente pode ser revelada após ser atingida por um tiro.
  • A primeira versão do jogo: atirando no tabuleiro até descobrir todos os submarinos
    • Como ler do teclado as coordenadas de um tiro ?
    • Como contabilizar se acertou em mais um submarino, ou se foi água ?
    • Como identificar que o jogador acertou todos os submarinos, e assim terminar o jogo ?
    • Como contabilizar quantos tiros foram dados até descobrir todos os submarinos ?
  • Tópico sobre linguagem C: continuando funções
    • ... mais especificamente: passagem de parâmetros por valor e por referência

O laço principal do jogo ...

O jogo funciona com um laço principal, que lê as coordenadas do tiro e atualiza o tabuleiro apropriadamente:

Batalha-naval1.png

Note que nesse laço devem-se contabilizar tanto quantos tiros já foram dados, quanto os navios que foram acertados. Esse último valor é necessário para decidir se o jogo já acabou.

11/06: Desenvolvimento do Projeto Final

Expansões Propostas

  • Limitar a quantidade de tiros (dobro do número de barcos, por exemplo) e, caso o usuário não atinja todos os barcos, deve-se mostrá-los na tela.
  • Oferecer a opção para o usuário escolher a dificuldade do jogo:
    • '1' - Nível Fácil (número de tiros igual ao número de posições da matriz),
    • '2' - Nível Normal (número de tiros igual a 3 vezes o número de barcos no tabuleiro),
    • '3' - Nível Difícil (número de tiros igual a quantidade de barcos inseridos no tabuleiro).
  • Tratar exceções de E/S, incluindo números fora dos limites - como por exemplo um barco fora do "mar".
  • Alterar a interface para utilizar números para linhas e letras para colunas, além de permitir barcos de 3 tamanhos (sempre desenhados na horizontal): uma "casa", três "casas" e quatro "casas".
  • Os barcos podem ser desenhados tanto na horizontal como na vertical.
  • Gerar tiros aleatórios caso seja solicitado pelo usuário.
  • Posicionamento dos barcos no tabuleiro também de forma aleatória caso seja solicitado pelo usuário.
  • Informar a posição dos tiros e barcos por letra e número (como no jogo tradicional). Ex.: posição A1.

Dicas

  • Entenda o problema, modele-o: utilize sempre que possível pseudocódigo / diagrama de bloco.
  • Defina entradas, processamento e saídas do programa.
  • Primeiro declare as variáveis, depois realize as expressões lógicas e matemáticas.
  • Deixe claro (documente e idente o seu código) o escopo de cada função (principalmente o fim) das estrutura de decisão e de repetição (quando não forem visíveis início e fim na mesma tela).

17/06: Desenvolvimento do Projeto Final

  • Dicas para utilização da função rand():
#include <stdio.h>
#include <stdlib.h>
#include <time.h>

int main (){

	srand(time(NULL)); //Plantando a semente :) função time() utiliza a biblioteca <time.h>

	printf ("Um numero entre 0 e RAND_MAX (%d): %d\n", RAND_MAX, rand()); 
	printf ("Um numero entre 0 e 99: %d\n", rand()%100);
	printf ("Um numero entre 20 e 29: %d\n", rand()%10+20);
	printf ("Um numero entre 0 e 5: %d\n", rand()%6); //pode ser interessante usar algo nesse estilo para o projeto.
	printf("\a");

	return 0;
}
  • para atribuir os valores aleatórios gerados pode-se utilizar a função da seguinte forma:
variavel1 = rand() % 10;   // até 10.
variavel2 = rand() % 30;  // até 30.

18/06: Desenvolvimento do Projeto Final

24/06: Desenvolvimento do Projeto Final

25/06: Desenvolvimento do Projeto Final

  • Em virtude do jogo do Brasil x Portugal, as aulas nesse dia terão início as 14:15 h.

01/07: Entrega do Projeto Final

  • Itens a serem avaliados:
    • Funcionalidades básicas:
  • Organização e legibilidade do código (indentação e comentários).
  • E/S: Montagem do tabuleiro.
  • Posicionamento dos barcos no tabuleiro.
  • Tiros disparados pelo usuário e contabilização de erros e acertos.
  • Finalização do jogo quando forem acertados todos os barcos.
  • Funcionalidades desejadas (expansões propostas).
  • Entrevista com cada integrante da equipe:
    • Cada integrante será arguido pelo professor com duas ou três questões.
    • Cada integrante participará do processo de avaliação do colega de equipe.

02/07: Recuperação

  • Atenção alunos que não conseguiram conceito mínimo (conceito C), no módulo de Lógica de programação:
    • Avaliação de recuperação de lógica, utilizando linguagem C. Serão propostos dois problemas.
  • Atenção alunos que não conseguiram conceito mínimo (conceito C) no projeto final da disciplina:
    • Avaliação de recuperação de programação C. Serão propostos dois problemas.

08/07: Encerramento Disciplina

  • Entrega de provas, conceitos finais.
  • Discussões sobre os tipos de linguagens de programação utilizadas atualmente no mercado e as tendências para a área de telecomunicações.