PJI11101 2019-2

De MediaWiki do Campus São José
Ir para: navegação, pesquisa
REGISTRO DAS ATIVIDADES 2019-2

Índice

Carga horária, Ementas, Bibliografia

Plano de Ensino

Dados Importantes

Professores: Jorge Henrique B. Casagrande - casagrande@ifsc.edu.br e Ana Paula Rosa Negri - ana.negri@ifsc.edu.br

Atendimento Paralelo conforme PPC

2as e 4as 18:30h - 19h - Sala dos Professores de Tele 2 ou Laboratório de Meios de Transmissão.

Atendimento paralelo Adicional

Prof. Jorge Casagrande: 2as e 5as 17:35h - 18:30h - Sala dos Professores de Tele 2
Prof. Ana Negri: 4as e 6as às 14:30h - 15:30h - Sala dos Professores de Tele 2
Link alternativo para Material de Apoio da disciplina: veja link

Avaliações

Critérios
Os alunos serão avaliados da seguinte forma:
- 3 Avaliações parciais A1, A2 e A3. Cada avaliação parcial contará com uma PROVA ESCRITA de 1,5HA de conteúdos preferencialmente associados as teorias e práticas do projeto os quais representam 50% da nota; Os outros 50% de cada avaliação parcial é relativa a média das notas atribuídas a aptidão e qualidade das atividades práticas correspondentes as etapas desenvolvidas no projeto integrador, atividades extras e avaliação individual.
- Avaliação Individual (AI1, AI2 e AI3) é uma nota atribuída pelos professores que representa o mérito de assiduidade, participação em sala, cumprimento de tarefas adicionais como relatórios e listas de exercícios.
- Todas as notas parciais serão valoradas de 0 à 10,0 em passos de 0,1 pontos e convertidas em conceitos conforme abaixo:
*Se NOTA FINAL (NF) OU PROVA ESCRITAda avaliação parcial < 6,0 é OBRIGATÓRIO realizar a recuperação dos conteúdos da respectiva avaliação parcial
*Se NOTA FINAL E PROVA ESCRITAda avaliação parcial >= 6,0 a recuperação de conteúdos é opcional
- Para a aprovação na disciplina é necessário atingir no mínimo a nota 6,0 na média final ponderada em carga horária de todas as avaliações parciais e 75% de participação em sala de aula;
- Conforme restrições do sistema de registro de notas do SIGAA, a NOTA FINAL sempre tem arredondamento para o valor inteiro mais baixo da unidade (exemplo: Nota 5,9 é considerado NOTA FINAL 5). Arredondamentos para valores inteiros mais altos da NOTA FINAL só serão considerados após os conselhos de classe no final do semestre, sempre respeitando o progresso do aprendizado do discente ao longo do semestre.
- As datas de recuperação das avaliações parciais serão decididas em comum acordo com a turma.
DISCENTE AE1 AE2 AE3 AE4 AI1 Prova A1 REC A1 NF A1 AE5 AE6 AI2 Prova A2 REC A2 NF A2 AE7 AI3 Prova3 REC A3 NF A3 MÉDIA PONDERADA NOTA FINAL Situação
Adriano 0 0 0 0 0 0 0 0,0 0 0 0 0 0 0,0 0 0 0,0 0,0 0 REPROVADO
Alden 10 10 9 10 10 9,4 0 9,6 10 10 8 8,3 8,8 8 8 8,2 8,1 9,1 9 APROVADO
Alessandra 6 10 7 7 10 6 7,0 9 9 3,2 6,1 6 7 3,3 4,7 5,6 6,5 6 APROVADO
Alexsandro 8 7 9 9 10 5,1 6,9 0 0 0 0 0,0 0 0 0,0 3,5 3 REPROVADO
Amanda 6 9 4 7 8 2,9 2,8 4,9 9 7 3,5 2,5 5,8 6 5 1,7 3 4,3 5,1 5 REPROVADO
Arieli 6 7 7 10 7 4 2,9 5,7 10 10 6 2,8 1,5 5,7 8 5 2,3 3,1 4,8 5,5 5 REPROVADO
Bergery 8 3 7 7 8 5 4 5,8 10 9 6 2,8 5,6 9 5 2,4 2,3 4,7 5,5 5 REPROVADO
Daniel 8 8 7 7 9 6,5 7,2 9 9 5,6 5,1 7,3 6 8 4,8 8,3 7,7 7,3 7 APROVADO
David 7 7 9 7 10 6,6 6,1 7,3 10 9 9 4,6 6,8 8,1 9 7 7,4 7,7 7,6 7 APROVADO
Ermeson 6 8 10 7 10 4,4 5,9 7,1 10 9 10 3,9 3,6 6,8 9 10 5,9 5,1 7,7 7,1 7 APROVADO
Fabio 7 9 6 7 7 4,2 3,5 5,7 0 0 0,0 0 0 0,0 2,9 2 REPROVADO
Gabriel 10 8 10 10 8,6 9,1 10 10 10 7,5 8,8 8 10 8,9 9,0 9,0 9 APROVADO
Gisele 7 9 9 9 10 5,4 7,1 0 0 0,0 0 0 0,0 3,6 3 REPROVADO
Hozana 8 9 9 9 10 5,2 4,1 7,1 10 10 10 5,5 7 8,5 9 10 5,7 7,6 7,6 7 APROVADO
Kauan 8 8 10 7 4,1 0 5 1,3 0 4 1,0 2,6 2 REPROVADO
Kenard 6 3,0 0 0 0,0 0 0 0,0 1,5 1 REPROVADO
Lesly 9 10 6 9 8 2,7 3,4 5,9 10 10 8 1,7 5,5 9 5 1 2,9 5,0 5,6 5 REPROVADO
Louise 6 8 8 7 10 4,5 2,2 6,2 10 9 8 3,2 4,8 6,9 9 5 2,4 3,9 5,5 6,3 6 APROVADO
Maiza 7 8 7 7 10 5,3 2,7 6,6 9 9 2,7 4,2 6,6 6 7 2,3 4,2 5,4 6,4 6 APROVADO
Mariane 9 8 6 10 10 6,4 7,5 10 10 10 3,9 8 9,0 8 10 4,2 8,1 8,6 8,2 8 APROVADO
Olívia 10 9 4,8 0 0 0,0 0 0 0,0 2,4 2 REPROVADO
Patrick 5 2,5 0 0 0,0 0 0 0,0 1,3 1 REPROVADO
Ronilda 6 10 7 7 10 6,7 7,4 0 4 2 2,0 9 4 3 4,8 5,3 5 REPROVADO
Suzana 6 10 8 9 8 4,3 5,7 7,0 10 10 10 6,3 8,2 9 10 5,4 7,5 7,5 7 APROVADO
Theophile 7 7 5 2,9 6,0 10 9 8 4,5 9 0 2,3 4,8 4 REPROVADO
Whallace 6 7 4 9 8 2,2 4,5 10 10 8 4 2,4 6,7 9 7 2,5 4,3 6,2 5,5 5 REPROVADO
ATENÇÃO - MÉDIA PONDERADA = 50% NF A1 + 30% NF A2 + 20% NF A3 NOTA FINAL – APÓS CONSELHOS DE CLASSE
  • AE1: atividade extra do dia 07/08;
  • AE2: Questões do material de apoio feitas em sala de aula no dia 12/08;
  • AE3: atividade extra do dia 12/08;
  • AE4: Lista de Exercícios Cabeamento Estruturado - atividade extra do dia 02/09;
  • AE5: Exercícios CATV - Atividade extra do dia 10/10;
  • AE6: Projeto CATV/CFTV - Atividade extra do dia 30/10;
  • AE7: Projeto Elétrico Residencial – Atividade extra - Projeto de rede elétrica;
  • AI1, AI2, AI3: Avaliação Individual de cada avaliação parcial.

Relatórios das Equipes

Recados Importantes


Toda vez que você encontrar a marcação ao lado de alguma atividade, significa que essa atividade estará sendo computada na avaliação como Avaliação extra e/ou individual de A1, A2 ou A3. O prazo estabelecido para entrega estará destacado ao lado da atividade. Portanto, não perca o prazo limite para entrega. Atividades entregues fora do prazo terão seu valor máximo de nota debitado de 10 pontos ao dia;


Uso da Wiki: Todo o repositório de material de apoio e referências de nossas aulas passam a usar a Wiki de tele;


Whatsapp: Para interação fora da sala de aula, acessem nosso grupo no Whatsapp;


SIGAA: Eventualmente alguns materiais, mídias instrucionais, avaliações ou atividades poderão usar o ambiente da turma virtual do SIGAA. O professor fará o devido destaque para isso;


ATENÇÃO: Uma avaliação poderá ser recuperada somente se existir justificativa reconhecida pela coordenação. Desse modo, deve-se protocolar a justificativa no prazo de 48 horas, contando da data e horário da avaliação, e aguardar o parecer da coordenação. O não cumprimento desse procedimento implica a impossibilidade de fazer a recuperação.

Material de Apoio

Apostilas e Tutoriais
Slides utilizados durante algumas aulas
Listas de Exercícios
Vídeos Instrucionais
  • Video sobre Cabeamento Estruturado do CPT Parte 1 - Atenção: material disponibilizado somente para ser utilizado como estudo individual - Não usar em sala de aula!
  • Video Apresentando uma Visão Geral sobre a Norma técnica NBR14565:2012 Click aqui
  • Video Abordando o Cabo UTP - Click aqui
  • Video com o Passo a Passo para Montar um Cabo de Rede - Click aqui
Manuais e outros
Bibliografia Básica
1.CAETANO, S. S. Cabeamento estruturado. São José: IFSC. 2011.
2.Forouzan, Behrouz A. Comunicação de dados e redes de computadores; 5ª ed. São Paulo:McGraw-Hill, 2008. 1134p. ISBN 9788586804885
3.COELHO, P. E. Projetos de redes locais com cabeamento estruturado. 1a ed. Belo Horizonte: Instituto OnLine, 2003.
4.CREDER, H. Instalações elétricas. 15a ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2010.
5.MIYOSH, E. M., SANCHES, C. Projetos de sistemas rádio. 2a ed, São Paulo: Érica, 2002.
Bibliografia Complementar
1.CAVALIN G., CERVELIN, S. Instalações elétricas prediais: conforme norma NBR 5410:2004. 20a ed. São Paulo: Érica 2010

Diário de aulas PJI1 - 2019-2

29/07 - Recepção da turma pela direção e coordenação
  • Recepção da turma pela direção e coordenação.
31/07 - Introdução a PJI2 - A Última Milha

31/07 - Introdução a PJI2 - A Última Milha

  • Apresentação da disciplina e Plano de ensino;
  • Remontando a história das telecomunicações;
  • Uma visão geral sobre a última milha - a infraestrutura de Telecomunicações.

A Última Milha (last mile)

  • Explicações básicas sobre a infra-estrutura de operadoras ou provedores de serviços de telecomunicações: tipos de meios de transmissão, custos de serviços, etc...
  • Noções de uma rede de telecom para atender um serviço de telefonia fixa a partir de um PoP, apresentadas a partir das seguintes situações:
  1. Representação de todos os componentes e conexões envolvidos em um serviço de telefonia fixa usando a rede externa de cabeamento telefônico de uma operadora como por exemplo a OI. Considere o caso de um cliente que deseja um telefone fixo que está situado em uma região urbana, como uma residência individual (casa).
  2. O que muda no diagrama para um outro caso como uma empresa ou instituição(ex.:IFSC)?
  3. O tipo de rede que atende as duas situações acima são chamadas de rede de acesso (rede externa de telefonia) que também é utilizada para dar acesso a outros serviços como internet (ex. ADSL).

Diferenciando Rede Externa, Rede Interna e Cabeamento Estruturado

  • Usar as mesmas questões da aula anterior considerando agora um serviço de internet fornecido pela mesma operadora. A partir das respostas das equipes concluir sobre:
  1. Distinção entre Redes de Acesso, cabeamento estruturado e Redes Locais;
  2. Componentes de uma infraestrutura de telecomunicações envolvidos em cada tipo de rede de acesso (associados com tipos de meios de transmissão diferentes: fibra óptica e rádio enlace);
05/08 - Componentes de Cabeamento Estruturado

05/08 - Componentes de Cabeamento Estruturado

  • Normas e padrões relativos a cabeamento estruturado: Slides utilizados em sala;
  • Conceitos importantes sobre a banda passante dos meios de transmissão metálicos;
  • Componentes Passivos de rede: Aspectos físicos e elétricos;

A seguir são Apresentados alguns Componentes Passivos de Cabeamento Estruturado

Patch Panel

A figura a baixo refere-se a um Patch Panel:

PatchPanel.GIF

O Patch panel é um elemento passivo que permite a conexão entre os cabos vindos de equipamentos ativos, cabeamentos primários e cabeamentos secundários. Apresenta portas no formato modular (RJ45) permitindo a conexão de cabos UTPs, STPs e FTPs com conectores modulares e no painel traseiro apresenta contatos do tipo IDC (Caetano, 2011). O cabo que ficará fixo na porta do patch panel é conectado no painel traseiro e o path cord (cordão de manobra), elemento móvel utiliza os conectores modulares RJ45.

Bloco IDC 110

A figura a baixo refere-se a um Bloco IDC 110:

IDC110.JPEG

Possui a mesma função do patch panel, porém não apresenta as portas RJ45. Os cabos dos equipamentos ativos e do cabeamento primário são conectados no corpo do bloco 110 e os cabos secundários nos módulos de conexão colocados sobre o bloco 110, através de instrumento de pressão (Caetano, 2011).

Patch Cord

Veja a Figura abaixo:

PATCHCORD2.JPEG

O patch cord é um cabo que possui em suas extremidades conectores rj-45 macho, nestes conectores são seguidos padrões de montagem que podem ser T568A ou T568B.

Tomada RJ45

Considere a Figura abaixo:

TomadaRJ45.JPEG

As tomadas RJ45 são utilizadas com os cabos UTP, STP e FTP de 4 pares. Esta tomadas apresentam contados do tipo IDC, para fixação do cabo da rede e conector modular RJ45 fêmea para conexão do cabo do equipamento. Existe uma diversidade de espelhos e suportes para tomadas RJ45 (Caetano, 2011).

Conector RJ45

Os conectores RJ45 são utilizados para terminação de cabos UTP. Sua montagem exige a crimpagem do conector através de ferramenta apropriada, garantido um bom contato mecânico com o cabo UTP. A norma TIA/EIA 568, apresenta duas especificações de pino/par para a conexão dos conectores modulares (Caetano, 2011). Veja a Figura abaixo:

RJ45.JPEG

Quando utilizados conectores modulares em cabos STP ou FTP, cabos blindados, os conectores também devem ser blindados.

Cabo Categoria 5e

Veja a Figura abaixo:

CABO5E.PNG

O Cabo categoria 5e possui taxa de transmissão máxima para rede Ethernet de 1000 Mbps e 100MHz de Capacidade de BW em 100m.


Cabo Categoria 6a

Considere a Figura abaixo:

CABO6A.JPEG

O Cabo categoria 6a possui taxa de transmissão máxima para rede Ethernet de 10 Gbps e 500MHz de Capacidade de BW em 100 metros.


07/08 - Elementos Funcionais de Cabeamento Estruturado

07/08 - Elementos Funcionais de Cabeamento Estruturado

Preparação para a primeira parte do projeto integrador

  • Revisão das primeiras aulas.
  • Banda passante e atenuação de um sinal em meio de transmissão metálico.
  • Questões de 1 a 7 feitas em sala de aula. Questões de 8 a 21 para entregar quarta-feira, dia 14/08. Lista


12/08 - Subsistemas de Cabeamento Estruturado e Tipos de Conexão

12/08 - Subsistemas de Cabeamento Estruturado e Tipos de Conexão

Preparação para a primeira parte do projeto integrador

  • Categorização de cabeamento e tipos. (UTP, STP, telefônicos externo, interno...)
  • Cabos metálicos: detalhes do funcionamento de cabos coaxiais e par trançado.
  • Material de apoio utilizado: Slides Par trançado
  • Questões do material de apoio utilizado feitas em sala de aula.
  • Questões feitas em casa para entregar dia 19/08, segunda-feira. Lista 2
14/08 - Fundamentos básicos do CE

14/08 - Fundamentos básicos do CE

  • Estrutura e normas de cores dos Conectores RJ-11, RJ-14, RJ-25 e RJ-45.
  • Visão geral sobre cabeamento estruturado (entrada de facilidades, sala de equipamentos, backbone, cabeamento horizontal, sala de telecomunicações...).
  • Tipos de conexões do cabeamento:
  1. Conexão cruzada - Cross-connect
  2. Interconexão - Interconnect
  3. Ponto de Consolidação
19/08 - Fundamentos da Fibra Óptica

19/08 - Fundamentos da Fibra Óptica


21/08 - Apresentação do Projeto do Semestre e início da execução

21/08 - Apresentação do Projeto do Semestre e início da execução

  • Definição de um projeto completo de Cabeamento Estruturado, de um sistema de CFTV e de uma rede externa de operadoras provendo de serviços de telefonia, internet e TV cabo;
  1. Parte 1 Cabeamento Horizontal; Telefonia Privada;
  2. Parte 2 Rede Externa de Telefonia - Última Milha com serviços de telefonia; Entrada de Facilidades;
  3. Parte 3 Serviços de acesso ADSL; Wireless, CATV e CFTV;
  4. Parte 4 Tecnologia FTTH;
  5. Parte 5 Projeto Elétrico.
  • Definição do cabeamento horizontal a ser instalado para a primeira parte do projeto;
  • Organização das equipes e orientação sobre atitudes e o compartilhamento do Laboratório e recursos disponíveis.
  • Início da execução do cabeamento horizontal.

Parte 1 - Cabeamento Horizontal e entrada de facilidades

Passos para execução, para cada um dos quatro grupos:

  1. Seleção de 6(seis) cabos de 1(um) metro de comprimento, e 12(doze) conectores RJ45;
  2. Manufatura de seis cabos de interconexão (simulação de pacth-cords) com os componentes acima;
  3. Teste de continuidade dos cabos;
  4. Seleção de quatro cabos para o cabeamento permanente conforme orientação dos professores;
  5. Instalação de pacth-panel nos armários de telecomunicações de cada grupo;
  6. Passagem dos cabos pela calha aérea e eletrodutos;
  7. Instalação das tomadas de telecomunicações;
  8. Conexão dos cabos permanentes aos pacth-panels.
Complementos da aula
  • Video Abordando o Cabo UTP - Click aqui
  • Video com o Passo a Passo para Montar um Cabo de Rede - Click aqui
26/08 - Parte 1 - Cabeamento Horizontal - Cabeamento Permanente

26/08 - Parte 1 - Cabeamento Horizontal - Cabeamento Permanente

Passos para execução, para cada um dos quatro grupos:

  1. Prática com ferramentas punch para path-panel e blocos IDC;
  2. Seleção de quatro cabos para o cabeamento permanente conforme orientação dos professores;
  3. Instalação de path-panel nos armários de telecomunicações de cada grupo;
  4. Passagem dos cabos pela calha aérea e eletrodutos;
  5. Instalação das tomadas de telecomuncações;
  6. Conexão dos cabos permanentes aos path-panels.


28/08 - Parte 1 - Visão básica da identificação conforme TIA606

28/08 - Parte 1- Visão básica da identificação conforme TIA606

  1. Instalação das tomadas de telecomunicações;
  2. Conexão dos cabos permanentes aos pacth-panels.
  3. Instalação do PABX ao Pacth Panel.


02/09 - Parte 1 - Continuação do cabeamento horizontal - Exercícios

02/09 - Parte 1 - Continuação do cabeamento horizontal - Exercícios

  • Término das atividades da aula anterior;
  • Testes dos pontos de telecomunicação com o PABX e aparelhos Telefônicos;
  • Lista de Exercício em sala

Atividade Extra: Entregar resolvida a Lista de Exercício orientada e iniciada em sala de aula, entregando por grupo até dia 09/09/2019 na forma MANUSCRITA.

04/09 - Parte 1 - Conclusão do cabeamento horizontal e identificação segundo TIA606

04/09 - Parte 1 - Conclusão do cabeamento horizontal e identificação segundo TIA606


09/09 - Parte 2 - Rede externa de Telefonia

09/09 - Parte 2 - Rede externa de Telefonia

Parte 2 - Rede Externa de Telefonia
Última Milha com serviços de telefonia; Entrada de Facilidades;
11/09 - Parte 2 - Implementação da rede de acesso (última milha) de Telefonia

11/09 - Parte 2 - Implementação da rede de acesso (última milha) de Telefonia

  • Implementação da rede de acesso (última milha) de Telefonia
16/09 - Parte 2 - Testes e revisão da Rede externa de Telefonia

16/09 - Parte 2 - Testes e revisão da Rede externa de Telefonia

  • Testes e revisão da Rede externa de Telefonia
18/09 - Parte 2 - Testes e revisão da Rede externa de Telefonia Rede externa de Telefonia entre equipes

18/09 - Parte 2 - Testes e revisão da Rede externa de Telefonia entre equipes

  • Testes e revisão da Rede externa de Telefonia entre equipes.
23/09 - Parte 2 - Continuação parte externa Telefonia - exercícios de preparação para prova A1

23/09 - Parte 2 - Continuação parte externa Telefonia - exercícios de preparação para prova A1

25/09 - Avaliação A1

25/09 - Avaliação A1

  • Primeiras aulas: Preparação para avaliação. Organização dos materiais, tira dúvidas entre membros de equipes, ensaios práticos no cabeamento construído, etc...
  • Uĺimas aulas, 50min de avaliação teórica e 30 min de avaliação prática;
30/09 - Correção da Avaliação A1 - Apresentação da parte 3 do projeto

30/09 - Correção da Avaliação A1 - Apresentação da parte 3 do projeto

  • Primeiras aulas: Correção da Prova A1
  • Uĺtimas aulas: Apresentação e início da parte 3 do projeto:
Parte 3 - Serviços de acesso ADSL; Wireless, CATV e CFTV;
  • Abordagem básica sobre a tecnologia ADSL: Telefonia + dados upload e download.


02/10 - Parte 3 - Ativação de serviços ADSL e router WIFI

02/10 - Parte 3 - Ativação de serviços ADSL e router WIFI

  • Serviço ADSL: Fundamentos, ativos e explicações sobre a tecnologia;
  • Ativação de serviços ADSL configuração dos modens ADSL;
  • Ativação e configuração de router WIFI.


07/10 - Parte 3 - Redes de CATV

07/10 - Parte 3 - Redes de CATV

10/10 - Parte 3 - Redes de CATV - Exercícios - Recuperação Avaliação A1

10/10 - Parte 3 - Redes de CATV - Exercícios - Recuperação Avaliação A1

  • Primeiras aulas: CATV - Exercícios sobre aplicações;
  • Uĺimas aulas, 50min de recuperação de avaliação teórica e 30 min de avaliação prática;

Atividades Extra - Entrega em 16/10/2019 por equipe MANUSCRITO com os devidos cálculos:

Considere a mesma metodologia de resolução do projeto realizado em sala e realize o seguinte projeto: Considere que você possui a disposição os produtos da Proeletronic. Você irá instalar um circuito (ou rede) de CATV em um edifício de 8 andares. O sinal de VHF/UHF que chega ao ático (terraço do edifício) é de 10dbmV. Faça o esquema da rede de CATV para cada andar, considerando cabos coaxiais RG59 e distâncias entre cada shaft (armário de distribuição) de andar, de 10 metros. O sinal de TV de cada andar deve estar entre 15-20dBmV.


14/10 - Parte 3 - Redes de CATV - Resolução de Exercícios - Introdução a CFTV - componentes e instalação

14/10 - Parte 3 - Redes de CATV - Exercícios - CFTV - componentes e instalação

Objetivos da Aula:

16/10 - Parte 3 - Redes de CFTV - Instalação e uso do cabeamento horizontal para instalação da rede com DVR

16/10 - Parte 3 - Redes de CFTV - Instalação e uso do cabeamento horizontal para instalação da rede com DVR

21/10 - Parte 3 - Redes de CFTV - finalização da instalação da rede com DVR

21/10 - Parte 3 - Redes de CFTV - Instalação e uso do cabeamento horizontal para instalação da rede com DVR

23/10 - Parte 3 - Redes de CFTV - Continuação da finalização da instalação da rede com DVR

23/10 - Parte 3 - Redes de CFTV - Continuação da finalização da instalação da rede com DVR

28/10 - Feriado Institucional

28/10 - Feriado Institucional

30/10 - Parte 3 - Projeto por equipe de Redes de CATV e CFTV

30/10 - Parte 3 - Projeto por equipe de Redes de CATV e CFTV

Atividades Extra - Entrega em 10/11/2019 por equipe MANUSCRITO ou IMPRESSO com os devidos cálculos e ilustrações:

Projeto de CATV e CFTV.

Dentre os membros de cada equipe, escolham a planta baixa de uma residência que possa ser a referência para o projeto de CATV e CFTV. Preferencialmente optem por casas no lugar de apartamentos pois nosso objetivo maior é fazer um projeto de CFTV focado em câmeras para a proteção de área externa e um CATV que permita fazer uso de:
a) acesso as imagens das câmeras pelo canal 3 da faixa VHF;
b) acesso a um receptor externo de satélite como o BrasilSat em canais UHF e,
c) a distribuição do sinal da antena de sinais de TV digital para a sala e todos os quartos da casa. O projeto de CFTV deve contemplar a segurança externa da moradia prevendo proteção para as próprias câmeras.
Vocês podem utilizar um software livre LINUX específicos para desenhar a planta baixa como o Qcad, LibreCAD e Sweethome 3D. Podem usar qualquer outro também ou mesmo desenhar à mão. Os tutoriais que disponibilizamos,básico sobre CATV - versão 2018,básico sobre CFTV e básico sobre CFTV - versão 2018, serão um ótimo ponto de partida (ou mesmo o caminho todo) para fazer a proposta a qual de verá conter:

  1. Um breve relatório sobre o projeto e dos argumentos que levaram sua equipe a escolher os componentes e acessórios do projeto de CATV;
  2. A planta baixa como o posicionamento das câmeras e diagrama de ligações até a central de gravação e monitoração (DVR) e pontos de distribuição dos circuitos de CATV;
  3. O diagrama unifilar que representa a interligação entre os componentes e equipamentos: a) do projeto de CATV e b) do projeto de CFTV. Dependendo da forma que as equipes propuserem os projetos, é possível haver um ponto de convergência entre os serviços;
  4. Memorial Descritivo com uma planilha que demonstre o valor aproximado do investimento considerando valores comerciais encontrados na internet através do comércio eletrônico.
Algumas dicas para o projeto de CFTV


  • Adote componentes, acessórios e equipamentos compatíveis com o nível do projeto;
  • Planejem bem o posicionamento das câmeras de segurança para tirar melhor proveito do seu sistema de videovigilância como por exemplo:

- Proteja áreas críticas dentro da planta: Em geral a entrada, o acesso dos fundos da propriedade, ambientes com objetos de valor e locais com prováveis fluxo de pessoas (e suspeitos);
- Considere a altura das câmeras um ponto crítico para evitar o vandalismo e necessidade de muita iluminação. Três metros de altura do chão é uma referência usual. Acima disso, além da iluminação será necessário câmeras de maiores resoluções e iluminação reforçada (inclusive do infra-vermelho);
- Preveja uso de câmeras externas que assegurem resistência a chuva, calor forte e vento. Existe caixas protetoras à prova d’água e de temperatura, que são ideais para essas circunstâncias;
- As câmeras nunca devem ficar a favor da direção da luz do Sol, uma vez que os raios podem danificar o sensor das câmeras. Caso seja necessário, tente um ângulo indireto;
- Se optarem por câmeras IP, atentem para a distância das câmeras dos equipamentos de rede. Por especificação técnica, cabos ethernet não devem ultrapassar 100 metros de comprimento. Além disso, certifique-se que a fonte de alimentação PoE que você usa é adequada ao funcionamento;
- o Posicionamento de câmeras em ambientes interno é menos complexo pois, teoricamente elas ficam menos suscetíveis a variações climáticas e danos propositais. Entretanto, é preciso estar atento ao propósito de monitoramento e com a altura da sua instalação;
- Se optar por iluminação artificial noturna deixe a câmera longe de holofotes pois pode acabar gerando clarões ou sombras momentâneas impedindo de identificar os objetos (pessoas) em movimentos rápidos. Esses efeitos podem ocorrer também quando ocorre uma mudança repentina pela entrada de iluminação de portas ou janelas, o que pode fazer o seu alvo escurecer e ser difícil de identificar por se encontrar numa área sombreada;
- Caso sua câmera não tenha visão noturna (como infravermelho), você precisa ter cuidados adicionais no posicionamento do equipamento. Para conseguir gravar no escuro, é preciso planejar ações de iluminação para esse horário, a exemplo de lâmpadas com acendimento automático, e garantir que cubra toda a área desejada. Faça um teste durante esse horário e observe se as fontes de luz instaladas são suficientes para aquele ambiente e, se preciso, faça mudanças.


04/11 - Parte 4 - O serviço FTTH ou FTTB

04/11 - Parte 4 - O serviço FTTH ou FTTB

Objetivos da Aula:

  • Apresentação da Parte 4 do projeto - O serviço FTTH ou FTTB;
  • Contato com os principais elementos de uma rede FTTH: tipos de fibra, acessórios, componentes e ferramentas;
  • Sugestão de leitura para a parte 4 do projeto: Apostila de Cabeamento Estruturado do Prof. Saulseções completas: 3.2, 6.7, 4.6 e 7.6 nessa sequencia!

Complemento de estudo: Componentes para o serviço FTTH =

Fibras Ópticas

Processo de Fabricação de uma Fibra Óptica

Veja o Vídeo

Fabricação da Fibra

Estrutura básica da fibra óptica

A figura abaixo refere-se aos componentes de uma fibra óptica:

EstruturaFibra.png

A fibra é constituída por dois materiais dielétricos com índices de refração diferentes, geralmente vidros e em alguns casos plásticos. O dielétrico central é chamado de núcleo e o externo de casca. O núcleo sempre apresenta índice de refração ligeiramente superior ao da casca. Para obter a diferença entre os índices de refração do núcleo e da casca, são usados materiais dielétricos dopados com semicondutores diferentes ou materiais dielétricos diferentes (vidro-plástico) (Caetano, 2011).

Veja na figura abaixo a estrutura de um cabo de fibra óptica:


CaboFibra.JPEG


Tipos de fibra óptica quanto a propagação de modos =

TiposFibra.png


Tipos de Cabo de fibra óptica

As fibras, mono ou multimodo, são acondicionadas em cabos mono ou multifibras. Existem dois tipos de cabos, loose e tight. A Figura abaixo apresenta a estrutura do cabo loose.


Loose.png


Veja também a estrutura do cabo tight.


Tight.png


A figura abaixo apresenta um comparativo entre fibra óptica monomodo e multimodo, em relação a perda de dados:


ComparativoFibras.JPEG


Veja alguns tipos de conectores de fibra óptica:


ConectoresFibra.JPEG

Veja o Vídeo

Emenda de fibra óptica

Serviço FTTH - Instalação de links de fibra entre a central e Usuário

  • Instalação de DIOs e lançamento de fibras multimodo
06/11 - Parte 4 -Serviço FTTH - Finalização da Instalação de links de fibra

06/11 - Parte 4 - Serviço FTTH - Finalização da Instalação de links de fibra

Objetivos da Aula:

  • Finalização das fusões (emendas) e acabamentos
11/11 - Parte 4 - Serviço FTTH - Testes de navegação e simulações de instalação

11/11 - Parte 4 - Serviço FTTH - Testes de navegação e simulações de instalação

Objetivos da Aula:

  • Instalação dos conversores de mídia nos extremos das fibras;
  • Testes finais de navegação de internet via link de fibra;
  • acabamentos e correções finais do rack e links.
  • simulação de instalação de serviços de telefonia, ADSL e FTTx no cabeamento estruturado.

Exercícios partes 3 e 4 do PI

  • Resolução de exercícios da LISTA 2 - partes 3 e 4.
  • Testes finais de conexão com a internet via FTTx.
13/11 - Parte 5 - Projeto Elétrico

13/11 - Parte 5 - Projeto Elétrico

18/11 - AVALIAÇÃO A2 - Parte 3 e 4 do Projeto Integrador

18/11 - AVALIAÇÃO A2 - Parte 3 e 4 do Projeto Integrador

20/11 - Parte 5 - Projeto Elétrico - Fundamentos de coordenação de proteção de circuitos elétricos

20/11 - Parte 5 - Projeto Elétrico - Fundamentos de coordenação de proteção de circuitos elétricos

  • Circuitos Elétricos Monofásicos, Bifásicos e Trifásicos;
  • Aterramento em instalações elétricas;
  • Convenções;
  • Dispositivos de proteção: Disjuntores Termo-magnéticos, DR, Fusíveis;
  • Metodologia para coordenação de proteção de circuitos elétricos (Item 10 Apostila do Prof. Saul (p. 77));
  • Norma NBR5410: Item 4.2 à 4.2.5 (p. 12), tabelas 33 (p. 90), 36 (p. 101) e 42 (p. 108).
  • Pontos de iluminação e tomada (p. 82).
25/11 - Correção avaliação A2 - Exercícios projeto elétrico

25/11 - Correção avaliação A2 - Exercícios projeto elétrico

27/11 - Recuperação Avaliação A2

27/11 - Recuperação Avaliação A2

02/12 - Passos para um projeto elétrico de uma sala de telecomunicações

02/12 - Passos para um projeto elétrico de uma sala de telecomunicações

04/12 - Atividades em sala do projeto elétrico residencial

04/12 - Atividades em sala do projeto elétrico residencial

09/12 - Atividades finais do projeto elétrico residencial

09/12 - Atividades finais do projeto elétrico residencial

11/12 - AVALIAÇÃO A3 - Parte 5 do Projeto Integrador - Desmonte das instalações

11/12 - AVALIAÇÃO A3 - Parte 5 do Projeto Integrador - Desmonte das instalações

16/12 - Recuperação AVALIAÇÃO A3 - Parte 5 do Projeto Integrador

16/12 - Recuperação AVALIAÇÃO A3 - Parte 5 do Projeto Integrador