FIC - Instalador de Refrigeração e Climatização Doméstica

De IFSC São José

Ir para: navegação, pesquisa

Página em construção - Por favor aguarde !

Boas vindas

Olá estudantes, somos a equipe do Laboratório de Ensino a Distância do Câmpus São José do Instituto Federal de Santa Catarina. Gostaríamos de dar as boas vindas para você, que está iniciando o nosso Curso FIC de Instalador de Refrigeração e Climatização Doméstica - TURMA 2017-2 !

Nesse curso você vai aprender os conceitos básicos da refrigeração e do condicionamento de ar doméstico.

Preparamos nosso material com muito cuidado para que você estude os assuntos no seu próprio ritmo de estudo a partir de apostilas ilustradas, animações, videoaulas e lista de questões.

Mas estudar a distância tem um segredo:

Tem que estudar toda semana sem falta ! Senão o volume de estudos cresce e você poderá perder o ritmo e a motivação.

Um curso a distância exige disciplina como qualquer outro. A diferença é que o horário e o local de estudo é você quem decide.

Nessa caminhada você pode contar conosco. Toda semana das 19h às 20h30min estaremos disponíveis para dúvidas diretamente no SKYPE.

Você também pode enviar suas dúvidas pelo nosso e-mail: ledis.sj@ifsc.edu.br.


LEMBRE-SE - ESTE CURSO TEM UMA PARTE PRESENCIAL DE 10 HORAS OBRIGATÓRIAS NO FINAL, QUANDO SERÁ APLICADA A AVALIAÇÃO. A APROVAÇÃO NA AVALIAÇÃO E A PRESENÇA NA PARTE PRESENCIAL É A CONDIÇÃO NECESSÁRIA PARA RECEBIMENTO DO CERTIFICADO.

A PARTE PRÁTICA PRESENCIAL ACONTECERÁ NO CÂMPUS SÃO JOSÉ DO IFSC - R. José Lino Kretzer, 608 - Bairro Praia Comprida - São José.

Bom estudo e conte conosco !

Equipe do Laboratório de Educação a Distância - LEDIS


Fórum de notícias


Tabela de conteúdo

Parte 1 - Apresentação e Motivação

Olá, tudo bem?

Nessa primeira semana você vai aprender um pouco sobre a História da Refrigeração e sobre o mercado de trabalho. Também deverá ler a parte 2 referente aos Conceitos Básicos.

Nos últimos anos, a área de refrigeração e climatização no Brasil experimentou um crescimento muito superior ao crescimento do PIB brasileiro. No ano de 2013 cresceu 8%, totalizando um faturamento de 29 bilhões de reais, segundo informações publicadas pela ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-condicionado, Ventilação e Aquecimento. Os aparelhos de ar condicionado de janela, que representavam 60% das vendas há 10 anos, atualmente representam apenas 15%, em contraste com o percentual de 70% dos splits.

A refrigeração industrial também tem crescido acompanhando o aumento de consumo na área alimentícia e de bebidas.

Uma pesquisa do IBGE mostrou que apenas 11% das casas usam sistemas de climatização, o que mostra que ainda é possível se crescer mais ainda, para atingir patamares internacionais. Em diversas regiões brasileiras há carência de profissionais qualificados. Em parte isso se deve à quantidade reduzida de cursos técnicos profissionalizantes nesse setor e também a falta de literatura especializada escrita em linguagem acessível aos milhares de profissionais que já atuam na área.

Bom estudo !


Semana 1 - parte 1 - Histórico da RefrigeraçãoArquivo

Semana 1 - Parte 2 - Conceitos básicosArquivo

Videoaulas da Semana 1Página

Material de apoio:

[Vídeos https://www.youtube.com/channel/UCNsqnaiB_JLMVF_Fu6UvjGw ]

Aula sobre processo de vácuo


Animações em Flash



Semana 2 - Aplicando os conceitos Básicos

Olá, tudo bem?

Nessa semana você deve praticar o uso dos conceitos básicos apresentados na Semana 1 tais como calor trocado, conversão de unidades e mecanismos de troca de calor.


Procure no seu dia a dia exemplos práticos de ENERGIA, CALOR, POTÊNCIA. Procure realizar algumas conversões de unidades simples. Por exemplo 12.000 Btu/h equivalem a 1 TR ou 3,5kW. Esses assuntos são estudados na área de CALORIMETRIA.

https://www.educreations.com/lesson/view/termodinamica/19432377/ conversão de temperatura

https://www.educreations.com/lesson/view/termodinamica/19475015/ conversões de unidades

https://www.educreations.com/lesson/view/troca-de-calor-sensivel-e-latente/21381157/ troca de calor latente e sensível

Afinal os equipamentos de refrigeração e climatização estão o tempo todo realizado trocas térmicas para produzir o frio ou o conforto térmico. Você deve ler os textos anexos e acessar o material complementar que estamos disponibilizado. São animações, videoaulas e exercícios resolvidos.

Se você não tiver o plug-in do Flash, basta baixá-lo gratuitamente na internet. Há algumas questões para você verificar sua aprendizagem ao final da semana. Os gabaritos poderão ser solicitados no fórum, caso necessários.


Semana 2 - Exercícios Resolvidos - Arquivo

http://www.passo-a-passo.com/mec/6.2.5/03_laboratorio_frame.htm

Animações de estudoPágina

AutoavaliaçãoPágina

Exemplo resolvido 1URL




Semana 3 - Refrigeração

Olá alunos, tudo bem?



Nessa terceira semana vamos começar a estudar a parte específica da área de refrigeração. Ao final da semana você deverá:

a) Conhecer os componentes de instalações de refrigeração e climatização

b) Conhecer os procedimentos para manipular tubos de cobre

No vídeo a seguir você poderá conhecer alguns procedimentos para corte de tubos de cobre, para flangeamento e para brasagem

TEXTO SOBRE BASAGEM

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=2h_1Z6U_jy8?rel=0&wmode=transparent]

c) Conhecer como se faz testes elétricos

No vídeo a seguir você poderá conhecer alguns procedimentos para realização de testes elétricos de componentes

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=n6AFirKSz08?rel=0&wmode=transparent]


Noções de brasagemArquivo

ComponentesArquivo

Exercícios resolvidosArquivo


Semana 4 - Manutenção de Refrigeradores

Manutenção de refrigeradores

Olá alunos, nessa semana vocês devem estudar os procedimentos para manutenção de refrigeradores.

Leia o texto e assista os vídeos recomendados.

a) Procedimentos básicos de manutenção

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=PQBWzrI28rk?rel=0&wmode=transparent]

b) Procedimentos básicos de manutenção

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=9JROs947dzc?rel=0&wmode=transparent]

c) Troca de compressores EMBRACO

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=nWk4P3N1W2U?rel=0&wmode=transparent]

Ao final você deve estar familiarizado com os procedimentos:

a) pressurização

b) teste de estanqueidade

c) recolhimento de fluido

d) carga de gás.

http://www.protocolodemontreal.org.br/eficiente/sites/protocolodemontreal.org.br/pt-br/site.php?secao=regeneracaounidades

http://wiki.sj.ifsc.edu.br/wiki/index.php/Material_para_instala%C3%A7%C3%A3o_de_splits


Vídeo sobre procedimentos de manutenção - recolhimento de fluido refrigeranteURL

Semana 4 - Manutenção de refrigeradoresArquivo

Semana 4 - parte 2- Procedimentos com Fluidos RefrigerantesArquivo



Semana 5 - Condicionadores de ar

Realizar a manutenção de aparelhos de ar condicionado de janela

Olá alunos estamos apresentando a seguir o material para estudo sobre manutenção da aparelhos de ar condicionado de janela.

A primeira parte é a revisão do vídeo sobre testes elétricos dos componentes do condicionador de ar.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=n6AFirKSz08?rel=0&wmode=transparent] [youtube https://www.youtube.com/watch?v=PQBWzrI28rk?rel=0&wmode=transparent]

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=IBWFR5P3szg?rel=0&wmode=transparent]


Manutenção de ar condicionado de janelaArquivo

Perguntas e respostas sobre condicionadores de arPágina

Manutenção de ar condicionado de janelaArquivo

Perguntas e respostas sobre condicionadores de arPágina




Semana 6 - Instalação de splits

Realizar a instalação de equipamentos de climatização do tipo splits

Olá alunos, nessa semana vocês vão conhecer como fazer a instalação de equipamentos splits. Leia o texto e veja nos vídeos os procedimentos que são executados para fixação e posicionamento das unidades evaporadora e condensadora, para interligação das unidades, testes de estanqueidade, vácuo na rede, testes de superaquecimento. Vídeo 1 - i[youtube https://www.youtube.com/watch?v=1L_yFvjHdws?rel=0&wmode=transparent]

Vídeo 2 -[youtube https://www.youtube.com/watch?v=6tUUxOKjCkk?rel=0&wmode=transparent]

Vídeo 3 -[youtube https://www.youtube.com/watch?v=Dg1yxJoFVZs?rel=0&wmode=transparent]

Vídeo 4 -[youtube https://www.youtube.com/watch?v=f89qk2cULlE?rel=0&wmode=transparent]

Vídeo 5 -[youtube https://www.youtube.com/watch?v=RfCm_3Had_g?rel=0&wmode=transparent]


Instalação de equipamentos splitsArquivo

Instalação de equipamentos splitsArquivo

Chat do dia 19 de novembro de 2015



Semana 7 - PMOC

Olá estudantes, nessa semana é importante que vocês conheçam a legislação que regulamentou a exigência do PMOC:

O PMOC é um Plano de Manutenção Operação e Controle, exigido na PORTARIA 3523/2008 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Na Portaria é definido quando as verificações e correções técnicas deverão ser executadas em cada ponto do sistema de climatização.

"A qualidade do ar interior é um assunto complexo e os seus efeitos na saúde são cada vez motivos de grande preocupação. Estudos da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) indicam que os níveis de concentração de poluentes podem ser de duas a cinco vezes maiores em ambientes internos do que nos externos, mesmo em cidades altamente industrializadas. Esse fato, juntamente com o tempo de permanência em ambientes internos, faz com que os riscos à saúde humana sejam muito maiores nesses ambientes. Assim, a qualidade do ar interior tem se apresentado como importante e constante campo de estudo, seja focando a saúde do trabalhador ou da população em geral. Num ambiente fechado, centenas de poluentes de diferentes origens podem afetar a qualidade do ar interior. Pesquisas indicam que mais de 900 contaminantes diferentes estão podem estar presentes em ambientes internos, dependendo das funções inerentes e atividades específicos que ocorrem nesses ambientes.

O ambiente interno em qualquer edifício envolve a interação de um conjunto complexo de fatores que mudam constantemente. Assim, o seu desempenho deve ser satisfatório ao longo da variação desses diversos fenômenos, estabelecendo um equilíbrio. Se uma edificação não responde de forma adequada essas variações, a demanda por conforto, saúde e bem estar acaba não sendo supridas, desta forma os ocupantes do recinto poderão começar a se queixar de sintomas associados por exemplo, à qualidade deficiente do ar interior.

Um ambiente interno saudável é aquele que promove conforto, saúde e bem-estar dos ocupantes do recinto. Temperatura e umidade são controladas dentro de uma faixa de conforto. Concentrações normais de gases respiratórios, como o dióxido de carbono, são mantidas. Também contribuem para a sensação de bem-estar níveis confortáveis de iluminação e ruído, condições ergonômicas apropriadas e satisfação profissional. Estes fatores não são aspectos da qualidade do ar exatamente, mas afetam a percepção dos ocupantes em relação à qualidade do ar e, portanto são importantes para um ambiente interno saudável.

Vários componentes de uma instalação podem são afetados pela a falta de manutenção ou a manutenção mal feita e consequentemente afetando influenciando na qualidade do ar interior, tais como, unidade de refrigeração, os dutos, o sistema de filtragem, etc.

A falta de limpeza nas bandejas e serpentinas das unidades de refrigeração pode provocar a formação de lodo nesses componentes e no caso das bandejas causar o entupimento de drenos aumentando o acúmulo de microorganismos que serão insuflados para dentro do ambiente. Assim, é importante evitar água estagnada em quaisquer circunstâncias, eliminando assim a possibilidade dos componentes de uma instalação se comportem como fontes potenciais de disseminação de microorganismos para o interior do ambiente.

A falta de manutenção ou a manutenção imprópria nos dutos de uma instalação, também podem tornar esses componentes como os maiores disseminadores de microorganismo nocivos à saúde. Os dutos também podem agir como condutores de poluentes da fonte de geração até o espaço interior. Da mesma forma, um projeto inadequado dos dutos de uma instalação pode criar problemas na distribuição do ar afetando a temperatura, umidade, pureza e movimentação de ar nas zonas ocupadas. Outro problema de projeto normalmente encontrado em muitos edifícios é a instalação de dutos em lugares de difícil acesso ou até mesmos com acesso impossível para equipamentos de limpeza. Isso faz com que esses componentes fiquem esquecidos por muito tempo e só são lembrados quando começa ocorrer problemas de qualidade de ar nos espaços internos.

Outro componente de uma instalação que afeta sensivelmente o ambiente interno é o sistema de filtragem. Numa instalação de condicionamento de ar, os sistemas de filtragem possuem duas funções básicas: uma é a proteção da central de tratamento de ar e da rede de dutos contra os efeitos prejudiciais da poeira e de outros agentes. E a outra função importante é a manutenção uma atmosfera controlada no espaço condicionado contra a ação de agentes nocivos suspensos no ar. Porém, o acúmulo de substâncias sobre esses componentes e a formação de condensado em sua superfície, torna-se possível a multiplicação de fungos e bactérias, tornando os elementos filtrantes uma potencial fonte de contaminação do espaço interior. Além disso, filtros sujos e saturados diminuem a vazão de ar de insuflamento de ar fazendo com que os sistemas de condicionamento de ar tenham que operar além do dimensionamento previsto, aumentando assim o consumo de energia elétrica e de manutenção da instalação" (PEREIRA, 2010).

.

http://www.refrigeracao.net/Legislacao/ms_3523.pdf

Vejam também esses vídeos disponíveis no Youtube

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=MjjsJNyp7og?rel=0&wmode=transparent]

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=iyzERuWQG_A?rel=0&wmode=transparent]

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=MK-2Ic_0pBU?rel=0&wmode=transparent]

Boa leitura.




Semana 8 - Segurança no Trabalho

Olá estudantes, é fundamental que vocês tenham conhecimentos básicos sobre segurança do trabalho. Tem ocorrido muitas mortes por descumprimento da NR 35, que trata de trabalho em altura. A construção civil é onde mais acontece acidentes do trabalho. Das mortes ocasionadas na construção civil, 25% estão relacionadas com quedas.

http://www.mdic.gov.br/arquivos/dwnl_1227209981.pdf

Também é muito importante que o profissional de Refrigeração e Climatização tenha conhecimentos básicos sobre EMPREENDEDORISMO. Assistam o vídeo e leiam o texto a seguir:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=B24C2wfYajI?rel=0&wmode=transparent]




Falaremos, nesta etapa do curso, um pouco sobre empreendedorismo. Todos já ouvimos essa palavra, provavelmente até sob mais de uma perspectiva. Para uns, empreendedorismo é uma coisa, para outros pode ser outra, dependendo muito da intenção que se quer na apresentação do conceito. O Instituto Federal, tem em sua origem, a intenção de formar cidadãos capazes de contribuir para a melhoria da sociedade na qual se inserem. Não será diferente, portanto, a abordagem que será dada neste curso.

Muitos são os autores que atribuem forte importância ao empreendedor para o desenvolvimento econômico, alguns aprimoram esta afirmação dizendo que os empreendedores são muito importantes para a melhoria da qualidade de vida da sociedade. O empreendedorismo é, de fato, gerador de riqueza, uma vez que apresenta soluções para as demandas (necessidades ou desejos) não atendidos pelo mercado, essa solução pode ser um produto novo, uma inovação em um produto existente, um serviço novo, um serviço melhor executado, uma percepção de entrega de qualidade e que encontra público disposto a pagar por ela para ter sua demanda atendida. O empreendedor é, segundo Fernando Dolabela, “alguém que sonha e busca transformar o seu sonho em realidade”. Note­se que a definição proposta não restringe o empreendedorismo àqueles que abrem empresas, que realizam grandes negócios. Ela permite pensar no professor empreendedor, no aluno empreendedor, no técnico empreendedor. Trata­se de buscar realizar o próprio sonho, tarefa muito difícil para quem gosta muito do que faz e que, portanto, estará sempre atualizando, ampliando o seu sonho. A primeira coisa que se pode destacar é que para ser empreendedor é preciso gostar daquilo que se faz. Quando alguém gosta muito do que faz, o trabalho passa a ser algo que traz realização a quem faz. Essa é, possivelmente, a primeira verificação que o aluno deve fazer: Você gosta do que faz?

Além destas, outras características devem ser desenvolvidas ou potencializadas no indivíduo que quer empreender. São elas:

• Criatividade: qualidade que nasce com o ser humano e que é sistematicamente sufocada pelos outros, ao longo de sua vida. Todos nascem criativos, toda a criança é criativa até que a família, a escola, o trabalho, a sociedade imponham uma série de restrições e padrões que acabam prejudicar esta capacidade. O empreendedor necessita resgatá­la. Felizmente isso é possível.

• Inconformismo: a inovação nasce da capacidade de não aceitar por pronto o que pode ser melhorado, ou, mais ainda, não desistir daquilo que ainda não foi resolvido.

• Ousadia: inovar requer coragem. Trata-­se de sair da zona de conforto daquilo que se sabe. O empreendedor vive no tempo futuro.

• Ver o erro como possibilidade de aprendizado: quem está disposto a inovar, deve enxergar o erro muito mais como um caminho do que como um fracasso. Claro que não se prega aqui o descuido, a falta de cuidado, mas sim a aceitação do erro honesto como característico de quem se propõe a fazer coisas novas.

• Senso crítico: para saber identificar os pontos fracos das soluções existentes;

• Pró-­atividade: é preciso apresentar soluções. Só criticar não resolve nada e não cria riqueza.

• Saber ouvir: o empreendedor sabe que não pode prescindir de colaborações valiosas que podem vir de clientes, fornecedores, colaboradores, da sociedade.

• Cooperação: o mantra da competição a qualquer preço é coisa do passado. É necessário que o empreendedor construa uma ampla rede de contatos.

• Disposição para aprender: o resgate da criatividade está fortemente ligado ao ganho de conhecimento. O empreendedor de sucesso, normalmente, sabe tudo o que aconteceu até ontem, na sua área de atuação.

• Ética: o empreendedor está inserido na sociedade e suas ações devem ser dirigidas ao bem da sociedade. Leia sobre responsabilidade social.

Outras características poderiam ser aí incluídas, tais como liderança, comprometimento, perseverança. O empreendedor não precisa, no entanto, ser alguém acima dos “normais”, um semideus, é, como já dito, alguém que quer fazer seu sonho virar realidade.

O trabalho em refrigeração e climatização oferece uma série de oportunidades ao empreendedor, e ainda é um campo a ser desbravado. Lançar ­se no mercado requer, no entanto, algum estudo e alguns cuidados. Uma boa prática para melhorar as chances de sucesso de um negócio é a elaboração cuidadosa de um plano de negócio. O plano de negócio é um documento que formaliza a ideia do empreendedor e a testa antes de que investimentos financeiros, de tempo e emocionais tenham sido feitos. Uma máxima do empreendedorismo é que todo o negócio nasce de uma ideia, mas nem toda a ideia se transforma em um negócio.

Resumidamente falando, um plano de negócio se inicia com a formalização da ideia que se quer transformar em um negócio. A partir deste primeiro passo, o empreendedor busca identificar qual é o mercado para aquela ideia, quem é o seu público ­ alvo, afinal nem todos os que compram carros, compram modelos esportivos, não é mesmo? Qual é o tamanho deste mercado? Quem são os competidores que já atuam nele? Quais são os produtos concorrentes? Estas são perguntas importantes a serem respondidas, e muitas vezes a resposta não é tão óbvia, como descobriram os fabricantes de consoles para jogos ao se depararem com o seu novo concorrente: o “smartphone”. Diante dos resultados destas pesquisas iniciais, o empreendedor busca compreender quais são os pontos fortes da proposta de negócio. Quais são os pontos fracos? Quais são as oportunidades que se apresentam? Quais as ameaças ao futuro empreendimento? Este estudo prévio ajuda a aprimorar uma ideia inicial, transformando­a em uma proposta de empreendimento a partir da qual se pode então planejar o negócio.

O que será produzido: produtos, serviços, ambos? Quais serão as parcerias a serem desenvolvidas: fornecedores, distribuidores, outros prestadores de serviços. Qual a estrutura mínima para a empresa iniciar suas atividades: local, equipamentos, pessoal técnico e administrativo, serviços de terceiros. Qual o custo desta estrutura e como este custo pode ser alocado nos produtos oferecidos?

Quais custos são fixos e quais são variáveis? Qual é o valor de amortizações a ser alocado no custo variável? Qual o preço do produto, ou produtos? Qual a margem de contribuição? Todas estas perguntas ajudarão ao empreendedor verificar se o seu negócio é viável, ou se precisa de ajustes para melhorar suas chances de sucesso.

Além disso, é preciso planejar também o crescimento do empreendimento. Qual o tamanho desejado? Em quanto tempo se pretende chegar à maturidade do negócio? Em prestação de serviços, é bastante comum que a primeira crise venha não da criação, mas da falta de planejamento com o crescimento da empresa. É quando a estrutura atual não mais atende a demanda de um negócio que deu certo e atraiu clientes, e esses novos clientes não conseguem perceber a qualidade que usualmente lhes era entregue. Um novo técnico em refrigeração, por exemplo, não fica pronto da noite para o dia.

Caros alunos, propositalmente lhes apresentamos uma série de conceito para os quais não oferecemos aqui a explicação. Nossa intenção foi a de lhes despertar curiosidade. Adiantamos que não são conceito de difícil compreensão, mas muito importantes para quem quer abrir uma empresa. Existe um livro que, dentre muitos, apresenta de forma didática e muito prazerosa de se ler todos os conceitos e dicas para a elaboração de um plano de negócios. Chama-­se O Segredo de Luísa, de Fernando Dolabela, editado pela Sextante. O Sebrae também oferece suporte para a elaboração de planos de negócios, e pode ser consultado. Recomendamos também que o empreendedor procure ajuda externa na elaboração de seu plano de negócio, uma vez que é comum que o dono da ideia se apaixone cegamente por ela, prejudicando a capacidade de realizar julgamentos técnicos.

Desejamos a todos que sonhem muito, realizem seus sonhos e continuem a sonhar para poder realizar ainda mais.

Bons planos! Bons negócios!




Semana 9 - Preparação para atividade prática e avaliação

Questões para preparação para prova presencial

1-Qual a importância do levantamento de carga térmica, antes de se proceder a instalação de um condicionador de ar em um ambiente?

2. Quais são os principais modelos de condicionadores de ar split, e para que tipo de uso cada um é indicado?

3. O que é teste de estanqueidade e para que serve?

4. Qual o procedimento para a identificação do grau de superaquecimento em um split instalado?

5. Uma pessoa comprou um aparelho condicionador de ar e instalou sem o adequado levantamento de carga térmica, lhe chamando em seguida porque tem a sensação de que o aparelho não está refrigerando. Qual a sua primeira providência?

6. Para a pergunta de número 5, supondo que a carga térmica calculada esteja adequada ao aparelho selecionado. Qual a primeira providência a ser tomada?

7. Para que servem as bombas de condensado em unidades tipo cassete?

8. Uma determinada instalação requer que a unidade condensadora seja instalada em uma cota superior à da evaporadora, em 5 metros. Quais as providências que devem ser tomadas?

9. Qual a importância do vácuo em instalações de splits? Como se pode saber se a desidratação já está em níveis adequados?

10. Por que é importante seguir a recomendação dos fabricantes quanto a bitola das tubulações empregadas em instalações de splits?

11. Uma unidade do tipo Hi-Wall é adequada para a refrigeração de equipamentos de informática (unidade de processamento de dados), ou telefonia, onde exista somente calor sensível a ser retirado? Por quê?

12. Por que a temperatura do ambiente externo é importante para que não aconteça o congelamento da evaporadora em aparelhos de condicionamento de ar utilizado para a refrigeração de equipamentos?

13. Para que serve a válvula reversora, em condicionadores do tipo quente/frio? Como o seu acionamento faz com que o aparelho passe a esquentar o ambiente interno?

14. A determinação dos pontos de drenagem, antes da instalação do split é importante? Por quê?

15. Por que as unidades cassete oferecem vantagens nas instalações onde existam grandes distâncias horizontais a serem percorridas pelo condensado?

16. Os aparelhos condicionadores de ar comuns oferecem a possibilidade de controle da umidade do ambiente condicionado? O que é a função “desumidificar” do controle remoto?

17. Cite alguns cuidados importantes ao se utilizar alumínio para as tubulações de interligação frigorífica?

18. Se após a instalação de um split, a pressão de baixa estabilizar em 65 psig, é possível concluir que o aparelho está pronto para o uso? Por quê?

19. Os aparelhos do tipo split são melhores porque são mais eficientes! Esta afirmação é correta? Justifique.

20. Como o técnico instalador pode contribuir para que a eficiência declarada de um split seja alcançada?

21. A eficiência energética de condicionadores split depende da instalação? Por quê?

22. Para refrigerar um ambiente mais rápido, o correto é regular o controle remoto para uma temperatura mais baixa! Esta informação é correta? Justifique.

23. Sempre é necessário o uso de sifão, quando a condensadora estiver em cota inferior a evaporadora? Justifique.

24. Ao se instalar suportes para unidades condensadoras, deve ­se considerar as cargas estáticas e dinâmicas. O que é que isto quer dizer?

25. Se um aparelho split para de refrigerar por algum tempo, durante o qual o compressor permanece ligado, e volta a refrigerar mais tarde, repetindo este comportamento indefinidamente, pode ­se suspeitar do que? Qual a solução para este problema?

26- Qual a troca de calor necessária para aquecer 20 litros de água de 30 graus Celsius para 90 graus Celsius?

R Massa de 20 kg de água

Calor específico da água = 4,2 kJ/(kg.oC)

Temperatura inicial 30 graus Celsius

Temperatura final de 90 graus Celsius

Q = Massa x calor especifico da água x variação da temperatura

Q = 20 x 4,2 x (90 - 30) = 5040 kJoules

27- Quais os modos de transferência de calor?

R. Condução, convecção e radiação.

28- O que acontece com o fluido refrigerante quando ele passa pelo condensador?

R. Inicialmente ainda no estado de vapor superaquecido sofre resfriamento até chegar à temperatura de condensação (para pressão de alta). A partir daí sofre mudança de fase de vapor para líquido.

29- O que é condutividade térmica (k)?

R. Propriedade dos materiais que mostra a facilidade ou não de transferência de calor. Para os metais (cobre, aço, alumínio, prata, ouro) o K é alto, enquanto que para os isolantes o K é baixo (poliuretano, poliestireno por exemplo).

30- Se um aparelho de ar condicionado tem vazão de 800 metros cúbicos por hora e a temperatura de entrada do ar no aparelho é de 25 graus Celsius e a temperatura de insuflamento é de 18 graus Celsius, qual é a potência do aparelho aproximadamente? Considere a densidade do ar como sendo 1,2 kg/m3.

R. Sabemos que Q = m.c.Variação de temperatura

Podemos usar essa equação substituindo a massa por fluxo de massa em kg/s

Essa equação fica: Potência = fluxo de massa x calor específico do ar x variação de temperatura

Onde o calor específico do ar é de 1,0 kJ/kg.C

Nesse caso temos ainda que calcular qual o fluxo de massa dado a partir da vazão estimada por um anemômetro por exemplo ou pelo catálogo.

Fluxo de massa = vazão em metros cúbicos por segundo x densidade do ar.

A vazão em metros cúbicos por segundo é calculada dividindo-se a vazão por 3.600.

Logo, 800 / 3600 = 0,222 m3/s

Então o fluxo de massa é 0,222 x 1,2 = 0,266 kg/s

Fazemos a conta final

Potência = 0,266 x 1 x ( 25 -18) = 1,86 kW

Esse valor pode ser transformado em Btu/h multiplicando-se por 3412

Logo Potência é aproximadamente 6.346 Btu/h.

Mais questões para a preparação teórica - Dúvidas podem ser enviadas diretamente para ledis@sj.ifsc.edu.br ou respondida durante a aula presencial.

1- Qual a troca de calor necessária para aquecer 2 litros de água de 30 graus Celsius para 90 graus Celsius?

2- Quais os modos de transferência de calor?

3- O que acontece com o fluido refrigerante quando ele passa pelo condensador?

4- O que acontece com o fluido refrigerante quando ele passa pelo condensador?

5- O que é condutividade térmica (k)?

6- Um aparelho de ar condicionado tem vazão de 800 metros cúbicos por hora. Atemperatura de entrada do ar no aparelho é de 25 graus Celsius e a temperatura de insuflamento é de 18 graus Celsius. Qual é a potência aproximada do aparelho em Btu/h? Considere a densidade do ar como sendo 1,2 kg/m3.

7- Qual o calor que atravessa uma parede de tijolo de 8 furos com espessura de 15cm e com temperaturas de suas faces interna e externa de 25 graus e 35 graus respectivamente?

8- Qual o custo mensal de uso de um split de 9.000 Btu/h, ligado no ciclo frio durante 5 horas por dia durante 20 dias no mês? Considere que o consumo do aparelho seja de 1000W e que 1kw.h custe R$ 0,50.

9- O técnico mediu a pressão na sucção do compressor de um split como sendo de 76psi. Ele mediu também a temperatura da linha de sucção como sendo de 13 graus. Calcule o grau de superaquecimento de um split.

10- Quais são os processos de troca de calor que acontecem em uma instalação do tipo split?


PARTE PRESENCIAL

OLÁ ALUNOS- AS AULAS PRESENCIAIS / AVALIAÇÃO SERÃO NOS DIAS:

xxxxxxxxxxxx DAS 13H ÀS 18H (sexta-feira)

xxxxxxxxxxxxDAS 8H ÀS 13H (sábado)

Ferramentas pessoais
Espaços nominais
Variantes
Ações
Navegação
Ensino
Pesquisa
Extensão
Serviços
Ferramentas