Laboratório de Baixo Custo com Contêineres

De MediaWiki do Campus São José
Revisão de 10h19min de 19 de maio de 2019 por Joao.ms (discussão | contribs) (Servidores)
Ir para: navegação, pesquisa

Objetivo

O objetivo é prover uma estrutura que fornece um ambiente de trabalho remoto completo afim de permitir a utilização de dispositivos de baixo custo na ponta, diminuindo os custos com equipamentos, no caso, computadores, além de flexibilizar a gerência de toda a estrutura tirando vantagem do uso de contêineres. Dessa forma, tendo o Docker como gestor, permite-se a replicação dos ambientes de trabalho para cada dispositivo, além de cada cliente ter um ambiente isolado.
Este projeto visa eliminar algumas limitações do modelo anterior cuja impelementação foi o ponta pé inicial para o desenvolvimento dessa segunda versão. Uma das limitações a serem diminuídas é o uso de dispositivos USB, como SDR, FPGAs, Arduíno, Pen Drives, etc.
Este projeto é um segmento do projeto Nuvem Computacional para a Área de Telecomunicações, o qual foi utilizada a estrutura em contêineres para gestão dos ambientes acessados pelos alunos. Neste segmento de projeto, está sendo utilizando como sistema operacional de gerência o RancherOS, que é um sistema operacional extremamente leve e toda sua estrutura é feita em contêineres, o que o torna muito modular e de tamanho diminuto, pois possui apenas Docker como o gestor do sistema operacional.

Servidores

Servidor físico
  • Local: CTIC (Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação);
  • Atende: Laboratório de Alunos, Monitoria de Alunos, Laboratório Interativo;
  • Máquina física (HP Z220 Workstation):
    • Memória RAM: 32 GB;
    • Área de troca: 0 B;
    • CPU: Intel(R) Xeon(R) CPU E3-1225 V2 @ 3.20GHz, 4 núcleos;
    • Armazenamento: Disco rígido Samsung de 7200 RPM com capacidade para 320 GB;
  • Sistema Operacional de gerência (instalado em baremetal): RancherOS v1.5.1;
    • Versão da distribuição: v1.5.1;
    • Nome da distribuição: RancherOS;
    • Versão do kernel Linux: 4.14.85-rancher
  • Contêineres Docker virtualizando as seguintes aplicações:
    • Contêiner labalu-cli0-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labalu-cli1-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labalu-cli2-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labalu-cli3-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labalu-cli4-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labalu-cli5-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 6.5 GB de memória RAM.
    • Contêiner labalu-cli6-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 6.5 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli0-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli1-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli2-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli3-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli4-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli5-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli6-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli7-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli8-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli9-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli10-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli11-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
    • Contêiner labint-cli12-aluno baseado em Debian Stretch que provê a interface de área de trabalho. Este contêiner pode alocar até 3 GB de memória RAM.
  • Contêineres do System-Docker executando os seguintes serviços:
    • Console Debian do RancherOS → Imagem jpmsb/os-debian-extrasconsole:v1.5.1;
    • Crontab do RancherOS;
    • Configuração de rede do RancherOS;
    • Configuração de dispositivos do RancherOS;
    • Configuração de horário do RancherOS;
    • Contêiner contendo o Docker a nível de usuário;

Preparação do servidor

O RancherOS

Logomarca do RancherOS

Para a execução deste projeto, foi escolhido como sistema operacional de gerência o RancherOS, que possui foco na execução de contêineres. O sistema operacional é constituído basicamente do kernel Linux e o Docker, fazendo com que sua iso de instalação tenha cerca de 60 Mb.
O sistema conteineriza serviços do sistema, como configuração de rede, configuração de dispositivos, crontab, o console que o usuário interage, módulos extras para o kernel Linux, até mesmo o próprio sistema operacional que final em execução. Há apenas uma base bem mínima para o Docker funcionar. Há dois serviços do Docker em execução: um chamado de system-docker e o outro o Docker que usuário executa suas aplicações de forma tradicional.
Digitando system-docker ps no console é dada uma saída semelhante à abaixo:

root@JPMSB:~# system-docker ps
CONTAINER ID        IMAGE                                 COMMAND                  CREATED             STATUS                         PORTS               NAMES
100081d26178        rancher/os-base:v1.1.1                "/usr/bin/ros entrypo"   21 minutes ago      Up 9 minutes                                       ntp
a770926deb8c        rancher/os-base:v1.1.1                "/usr/bin/ros entrypo"   21 minutes ago      Up 9 minutes                                       network
556d5ccd846e        rancher/os-base:v1.1.1                "/usr/bin/ros entrypo"   21 minutes ago      Up 9 minutes                                       udev
d1d76fe3a1d0        rancher/os-acpid:v1.1.1               "/usr/bin/ros entrypo"   21 minutes ago      Up 9 minutes                                       acpid
0f2f113fc887        rancher/os-syslog:v1.1.1              "/usr/bin/entrypoint."   21 minutes ago      Up 8 minutes                                       syslog
921b11ef5571        rancher/container-crontab:v0.1.0      "container-crontab"      11 days ago         Restarting (1) 9 minutes ago                       container-cron
7125a15e074d        rancher/os-debianconsole:v1.1.0-rc3   "/usr/bin/ros entrypo"   11 days ago         Up 9 minutes                                       console
27849052b566        rancher/os-docker:17.03.2             "ros user-docker"        11 days ago         Up 9 minutes                                       docker
ee264f634dbe        rancher/container-crontab:v0.1.0      "container-crontab"      11 days ago         Up 9 minutes                                       system-cron

Há os seguintes contêineres listados acima:

  • ntp → cuida da sincronização do relógio;
  • network → faz a configuração de rede;
  • udev → faz a gerência dos dispositivos;
  • acpid → controla os recursos de energia da máquina;
  • syslog → cuida dos logs do sistema;
  • container-cron → é o temporizador dos contêineres;
  • console → console o qual o usuário interage, tanto diretamente quanto via SSH;
  • docker → contém o Docker que é utilizado a nível de usuário;
  • system-cron → é o temporizador do sistema operacional.

O comando de gerência do sistema é o ros. Com ele, é possível configurar o sistema operacional. É o responsável por validar o arquivo cloud-config.yml, localizado em /var/lib/rancher/conf, que contém as configurações do sistema. A utilização de um único arquivo para a configuração torna o uso deste sistema operacional mais eficiente em ambientes de produção. O Container Linux também pode ser configurado desta maneira, no entanto, no RancherOS, este é o método de configuração padrão, enquanto que no CoreOS, não.
Devido à sua estrutura, é possível escolher tanto a versão do Docker, quanto a versão do sistema operacional que se deseja utilizar, sendo possíveis realizar atualizações e desatualizações.


Instalação do RancherOS

Para a instalação do RancherOS, baixe a ISO do sistema aqui. Se a instalação for em máquina virtual, basta verificar como dar o boot a partir da ISO baixada. O RancherOS possui um detector de hypervisor para melhor desempenho em máquina virtual. Se a instalação for em uma máquina física, basta gravar a ISO em um pen drive e configurar a placa-mãe para dar o boot a partir do mesmo. Para a gravação, basta utlizar o comando dd:

dd if=rancheros.iso of=/dev/sdX

Neste caso, sdX é o dispositivo alvo e X é a letra que identifica o mesmo. Para achar a identificação do dispositivo, basta utilizar o comando fdisk -l.
Após o boot, chegar-se-á uma tela semelhante à imagem abaixo:

Rancheros1-1.png

Selecione a segunda opção para, ao completar o boot, o sistema já vir com um login pronto para uso. O sistema começará a ser carregado, como mostrado na imagem abaixo:

Rancheros2.png

O sistema completará o boot em uma tela semelhante à imagem abaixo:

Rancheros3-1.png

Neste momento, o sistema está sendo executado em memória RAM, e tudo que for feito nele será perdido após o reinício da máquina. No entanto, é possível utilizar o sistema sempre a partir da ISO e ainda assim salvar os dados. Para que as alterações feitas não se percam, basta criar uma partição em um armazenamento local com o rótulo RANCHER_STATE, que salvará todas as modificações feitas no sistema. Isso pode ser interessante para salvar um pouco mais de espaço em disco e também útil em casos de atualizações.
Digite sudo su para virar root:

Rancheros4-1.png

No caso de se desejar instalar o sistema no armazenamento local, basta utilizar o seguinte comando:

ros install -d /dev/sdX

Para localizar a identificação do dispositivo, basta utilizar o comando fdisk -l, como mostrado na imagem abaixo:

Rancheros5-1.png

Rancheros6.png

No caso da imagem acima, o dispositivo é /dev/sda. Digite ros install -d /dev/sda:

Rancheros7.png

O instalador perguntará se o usuário deseja prosseguir com a instalação:

Rancheros8.png

Digite "y" para prosseguir com a instalação:

Rancheros9.png

Após cerca de 30 segundos, a instalação está concluída e o instalador perguntará se o usuário deseja continuar com o reinício da máquina:

Rancheros10.png

Digite "y" para continuar com o reinício da máquina:

Rancheros11.png

Os serviços e contêineres do sistema começarão a ser parados e, por fim, o RancherOS é reiniciado:

Rancheros12.png

Após o reinício do sistema, o menu SYSLINUX aparecerá, sendo este o mesmo presente na mídia de instalação.

Rancheros13.png

Como não há nada configurado ainda, deve-se selecionar a segunda para ter o autologin com o usuário rancher. O sistema operacional começará a ser iniciado:

Rancheros14.png

Após o término da inicialização do sistema, deve aparecer uma tela semelhante à imagem abaixo:

Rancheros15.png

Neste momento, o sistema está completamente pronto para uso. Ao usar o comando "fdisk -l", é possível verificar que o armazenamento o qual o RancherOS foi instalado foi modificado.

Rancheros17.png

Configuração

A configuração do sistema dá-se através de um arquivo do tipo "yml". Neste tipo de arquivo, os espaços são importantes e definem blocos de configurações.

Configuração da Rede

A configuração da rede é feita via arquivo "cloud-config". O arquivo localiza-se em "/var/lib/rancher/conf". Para editar o arquivo "cloud-config.yml", basta usar o "vi":

vi /var/lib/rancher/conf/cloud-config.yml
Configuração de interface de rede

Abaixo, um exemplo de configuração de rede:

rancher:
  network:
    interfaces:
      eth0:
        address: 191.36.9.253/24
        gateway: 191.36.9.254
        dhcp: false

O contéudo acima define o endereço IP "191.36.9.253" na interface "eth0". Define também o endereço IP do roteador, "191.36.9.254". O parâmetro "dhcp: false", desabilita o cliente DHCP.

Configuração de pontes

É possível também configurar pontes, por exemplo:

rancher:
  network:
    interfaces:
      eth0:
        bridge: faixa191
      faixa191:
        address: 191.36.9.253/24
        bridge: true
        dhcp: false
        gateway: 191.36.9.254


Configuração de servidores DNS

Para a configuração dos servidores de nomes, basta adicionar um conteúdo parecido com o exemplo abaixo:

rancher
  network:
    dns:
      nameservers:
      - 8.8.8.8
      - 8.8.4.4
Configuração de interface pelo endereço MAC do dispositivo

É possível configurar a interface de rede pelo endereço MAC da mesma, assim, caso haja mais de uma placa de rede, evita-se que uma eventual troca de nomes cause problemas. Abaixo um exemplo de configuração do dispositivo de rede através do endereço MAC da mesma:

rancher:
  network:
    interfaces:
      "mac=ea:34:71:66:90:12:01":
         dhcp: true
Configuração de agregações de link

É possível configurar agregações de link. O exemplo abaixo ilustra isso:

rancher:
  network:
    interfaces:
      bond0:
        addresses:
        - 191.36.9.253/24
        - 172.18.19.20/24
        gateway: 191.36.9.254
        bond_opts:
          downdelay: "200"
          lacp_rate: "1"
          miimon: "100"
          mode: "4"
          updelay: "200"
          xmit_hash_policy: layer3+4
        post_up:
        - ip route add 10.0.0.0/8 via 10.88.23.128
      mac=0c:c4:d7:b2:14:d2:
        bond: bond0
      mac=0c:c4:d7:b2:14:d3:
        bond: bond0

Habilitar módulos extras do kernel

Uma das vantagens do RancherOS é que o mesmo possui um vasto conjunto de drivers e módulos prontos para serem ativos. Todo este conjunto fica dentro de um contêiner. Para habilitar os módulos extras, basta digitar os comandos abaixo:

# ros service enable kernel-extras

Notar-se-á que uma imagem de contêiner será baixada. Para pô-la em execução basta executar o seguinte comando:

# ros service up kernel-extras

O serviço é ativo. Basta reiniciar o sistema que todos os módulos já estarão pronto para uso. É possível utilizar recursos como USBIP, por exemplo, além de outros dispositivos presentes na máquina que antes não funcionavam por causa da falta de drivers.

Instalação do GRUB 2

Por padrão, o RancherOS utiliza o SYSLINUX como gerenciador de inicilização. Optou-se por utilizar o GRUB 2 devido à sua flexibilidade e possibilidades de proteção com usuário e senha, impedindo, assim, vandalismos por parte dos usuários, bem como o acesso ao sistema através do autologin.
A instalação do GRUB 2 é feita através da aplicação grub-install, geralmente presente nos sistemas operacionais com o referido gerenciador de inicialização.
Para realizar a instalação a partir do próprio RancherOS, basta criar um contêiner usando o system-docker:

# system-docker run -it --name boot --privileged -v /boot:/boot -v /dev:/dev debian:stretch

Dentro do contêiner, basta instalar o pacote grub-pc e um editor de texto (nano, vim, pico):

root@iddoconteiner# apt update && apt -y -q install grub-pc nano

Preparação do cliente

O sistema operacional

Necessita de documentação!!!!!

Repositórios

Docker Hub

  • Aqui encontra-se o repositório principal com a imagem para a criação do contêiner. A interface gráfica é o Mate.
  • Aqui encontra-se o repositório com a imagem de interface gráfica LXDE com o tema do Raspberry Pi.

GitHub

  • Aqui encontra-se o repositório principal com a maioria dos arquivos utilizados. A interface gráfica é o Mate.
  • Aqui encontra-se o repositório referente a imagem de interface gráfica LXDE com o tema do Raspberry Pi.

Últimas atualizações

  • 29/11/2018 → Geração e início dos testes da imagem que usa o LibreOffice do repositório "backports" do Debian. Foi instalado também o KColor Chooser que permite selecionar cores e verificar suas combinações de vermelho, verde e azul. Além disso, foi adicionada a fonte "Open Sans".
  • 27/11/2018 → Melhoramento no script "rede", adicionando "-oStrictHostKeyChecking=no" para facilitar a troca de imagens uma vez que não é mais necessário confirmar que a chave mudou.
  • 23/10/2018 → Adição de terminal remoto no TTY 6, o que pode facilitar o encerramento de processos que travem a interface gráfica.
  • 05/10/2018 → Navegação e respostas à nomes extremamente lenta.
    • A solução foi remover um dos endereços DNS, que havia sido desativado.
  • 03/10/2018 → Interrupção inesperada do sistema, todos os contêineres foram afetados.
    • Um erro na leitura do arquivo cloud-config.yml fez com o que o sistema ficasse desconfigurado.
    • RancherOS passou a armazenar os dados do Docker do usuário em /var/lib/user-docker ao invés de /var/lib/docker, resultando na perda aparente do todos os contêineres.
    • A ação tomada foi copiar o conteúdo remanescente em /var/lib/docker para /var/lib/user-docker. Em princípio foi bem sucedido, no entanto, houve problemas no permissionamento, já que cp -ra não foi usado.
    • A ação tomada foi apagar todo o conteúdo copiado para /var/lib/user-docker e recriar todas as pastas mantendo-as vazias. Após a recriação dos contêineres, o problema foi resolvido.
    • Período fora do ar: das 7:00 às 19:47.
    • Versão do RancherOS atualizada, de 1.4.0 para 1.4.1, com Docker 18.03.1-ce e System-docker 17.06-ros4.
  • Habilitação da extensão BIG-REQUESTS que resolveu o erro (imagem jpmsb/gui:2018.8.31 e jpmsb/gui-lxde:2018.8.31):
    • Gdk-Message: vlc: Fatal IO error 2 (No such file or directory) on X server :X
    • Gdk-Message: python: Fatal IO error 2 (No such file or directory) on X server :X

Melhorias Desejadas

  • Boot pela rede (via PXE) para não necessitar de um disco rígido. A execução é em modo fat client. No entanto tal mudança pode implicar na limitação de algumas implementações, como aviso de conexões de rede e outras possíveis orientações ao usuário.