Estudo de aplicações de técnicas de acesso IP-VPN em laboratórios de informática do ProInfo nas escolas da Grande Florianópolis.

De MediaWiki do Campus São José
Ir para: navegação, pesquisa
Liamari de Araújo
Curso Superior de Sistemas em Telecomunicações - IFSC
Orientador: Prof. Alexandre Moreira e Claudinice Bertotti
email: liamariaraujo@hotmail.com


Resumo Estendido

1 INTRODUÇÃO

O Programa Nacional de Tecnologia Educacional ProInfo, é uma ação do governo federal para promover o uso pedagógico de Tecnologias de Informática e Comunicações na rede pública de ensino fundamental e médio. O MEC compra, distribui e instala laboratórios de informática e cabe às prefeituras a garantia de preparar a estrutura adequada para receber estes laboratórios e capacitar os educadores para uso das máquinas e tecnologias, assim o ProInfo descentralizou a capacitação de professores e técnicos de suporte e como ação, criou os Núcleos de Tecnologia Educacional que são estruturas de apoio ao processo de introdução da tecnologia e da telemática nas escolas públicas. Vários professores, com qualificação profissional em informática e educação, foram selecionados e capacitados, pelas respectivas secretarias municipais e estaduais da União, para exercerem a função de multiplicadores nos NTEs - Núcleos de Tecnologia Educacional.

Estes Núcleos são estruturas permanentes de suporte ao uso da informática, assessorando os professores e os técnicos de suporte das escolas em termos técnicos e pedagógicos.

Existe também o projeto banda larga nas escolas, que tem por objetivo disponibilizar conexão à internet, em banda larga, a todas as escolas públicas urbanas do País. A gestão do Projeto é feita em conjunto pelo Ministério da Educação (MEC), demais órgãos federais e a fiscalização é da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O Projeto conta com a participação das operadoras de telecomunicações de todo o território nacional para ser disponibilizada na sala em que estiver instalado o Laboratório de Informática da Escola, uma conexão banda larga com as seguintes características: Escolas atendidas por modem ADSL: a velocidade do download, isto é da Internet para a escola deve ser de no mínimo 2 Mbit/s e a velocidade de Upload, isto é da Escola para a Internet deve se de 500 Kbit/s. Escolas atendidas por modem via Satélite: a velocidade do download, isto é, da Internet para a escola deve ser de no mínimo 250 Kbit/s e a velocidade de Upload, isto é, da Escola para a Internet deve se de 62,5 Kbit/s. Das 117 escolas estaduais atendidas pelo Núcleo de Tecnologia Educacional da Grande Florianópolis, 112 salas foram informatizadas, no entanto, as estruturas não atuam em seu funcionamento pleno e tardam a atender seus objetivos, em função principalmente de que:

1- Manter em funcionamento os laboratórios requer mais mão-de-obra qualificada do que o NTE pode dispor;

2- A dispersão do conteúdo e dificuldades com segurança nos acessos torna a tarefa de usar a informática como instrumento de ensino, uma tarefa complicada e com inúmeras formas de distorções do foco educacional.

Ou seja, os recurso de microinformática foram disponibilizados, existem conexões de acesso à rede mundial de computadores, porém, os objetivos relativos ao uso de tais recursos para o ensino e inclusão digital esbarram em falta de soluções tecnológicas completas, para tornar os recursos ferramentais eficazes.

Este trabalho visa um estudo das técnicas de acesso de última milha através da adoção de modelos aderentes às realidades das escolas atendidas pelo NTE da Grande Florianópolis acoplando-os às técnicas de acesso IP-VPN como forma de minimizar os problemas apontados pelo Núcleo.

A técnica de acesso VPN consiste na interligação lógica de pontos pré-determinados de forma a permitir a transferência de dados entre tais pontos, por meio de uma Rede Privativa Virtual (VPN). Os acessos podem utilizar as seguintes tecnologias: xDSL, Frame Relay, ATM e TDM. A VPN estabelece uma sub rede sobre uma rede física, de forma que para o usuário final, tudo passa como uma rede real só dele, mantendo-se as mesmas funcionalidades de acesso e segurança de uma rede privada. Esta rede virtual fornece um serviço de conectividade IP permitindo uma comunicação plena entre todos os acessos de uma determinada VPN e, não permitindo a comunicação de/com outros acessos não pertencentes a VPN, permitindo que servidores de conteúdo específico sejam acessados, com informações pertinentes e seguras.

O uso de VPN também possibilita a otimização da rede e a formação de diversas comunidades isoladas e com características distintas, para tráfego de voz, vídeo, acesso a bancos de dados, Intranets e Extranets.

Além de satisfazer as necessidades de infra-estrutura de comunicação segura e economicamente para aplicações como: acesso a servidores de aplicações centralizadas como sistemas de e-mail e Intranet; formação de redes para compartilhamento de arquivos; integração de sistemas de telefonia;

O estudo do uso de tal tecnologia, tem como objetivo, por fim, buscar atualizar os sistemas disponibilizados pelo governo às escolas, sem que haja necessidade de novos investimentos, otimizando os recursos humanos e físicos existentes, usando técnicas de redes de comunicação de dados, estudadas no curso superior de tecnologia em sistemas de telecomunicações em benefício da comunidade.


Cronograma

Etapas Fev/2014 Mar/2014 Abr/2014 Mai/2014 Jun/2014 Jul/2014 Ago/2014 Set/2014 Out/2014 Nov/2014 Dez/2014
Definição da fundamentação teórica
Descrição dos objetivos, da metodologia e desenvolvimento do estudo
Escrita do documento inicial (TCC 1)
Conclusão da fundamentação e defesa dos objetivos
Preparação e defesa TCC1
Levantamento dos recursos disponíveis e dos necessários para a implementação da rede vpn ip
Definição da implementação da rede vpn ip sugerida
Definição das configurações dos equipamentos envolvidos
Definição dos testes para avaliar a rede proposta
Análise e avaliação dos resultados
Conclusões e escrita do documento
Preparação e defesa TCC2

Referências Bibliográficas

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Programa Nacional de Informática na Educação. Brasília, 1997a.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Reflexões sobre a educação no próximo milênio. Brasília: SEED, 1998b.

UFSC, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Utilização dos Laboratórios de Informática do PROINFO em Escolas de Dourados-MS.Florianópolis, 2001.

BRASIL TELECOM, Diretoria de Rede. Vetor – Arquitetura do Serviço. Brasília, 2005.

BRASIL TELECOM, Diretoria de Marketing. Vetor – Manual do Produto. Brasília, 2008.

Tanenbaum, Andrew S.Redes de computadores,2003 http://setic.ufsc.br/servicos/acesso-a-redeufsc/servico-de-vpn-virtual-private-network/ - acessado em 26/10/2013.

http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=462 – acessado em 07/10/2013.

http://www.fnde.gov.br/programas/programa-nacional-de-tecnologia-educacionalproinfo/ - acessado em 07/10/2013.

http://www.sed.sc.gov.br/educadores/nucleos-de-tecnologia-educacional-nte acessado em 25/10/2013

http://CGI.br/Publicacoes/Artigos/Contribuicoes_ao_Problema_da_Ultima_Milha acessado em 23/03/2014

Virttual Private Networking:An Overview. 29 de Maio de 1998. On-Line. http://www.microsoft.com/workshop/server/feature/vpnvw.asp 26 de Julho de 1998.

Virttual Private Networking.1998. Online. http://www.stts.com.br/vpn.htm 28 de Junho de 1998.

Werner,José. Tecnologias para Implantação de Redes Virtuais Privadas. Fórum Nacional sobre Segurança de Redes e Telecomunicações. Março/1998. 20 de Junho de 1998.

Henthorn,Alex.VPN -Virtual Private Networks. Livingston Enterprises, Inc. http://www.cernet.com.br/Livingston/napl/vpn.htm. 22 de Junho de 1998.

VPNs e IP Tunneling. On-Line. http://mingus.modulo.com.br/funciona.htm. 22 de Junho de 1998.

http://www.anatel.gov.br/Portal/exibirPortalNivelDois.do?acao=&codItemCanal=1539&codigoVisao=4&nomeVisao=Cidad acessado em 25 de março de 2014

TEIXEIRA. Adriano Canabarro e MARCON. Karina.(Org.). Informática educativa como espaço de inclusão digital: relatos da experiência da rede municipal de ensino de Passo Fundo– RS. In: Inclusão digital experiências, desafios e perspectivas. Universidade de Passo Fundo, Editora da Universidade de Passo Fundo, 2009.

http://portal.virtual.ufpb.br/biblioteca-virtual/filesa_implantaaao_do_programa_nacional_de_tecnologia_educacional_proinfo_em_uma_escola_pablica_municipal_na_cidade_de_lagoa_de_dentro_no_estado_da_paraiba_desafios_e_perspectivas_1343831381.pdf